PALAVRA DO ECONOMISTA

Agenda Econômica – 12/08 a 16/08

Veja aqui os eventos da próxima semana

Destaque da semana

Nesta semana os destaques da agenda econômica foram os dados de atividade econômica através da pesquisa mensal do comércio (PMC) e os dados de inflação com a publicação do IPCA de junho.

O comércio varejista avançou 0,1% em junho na série ajustada sazonalmente. Bem abaixo do projetado por nós (1,3%) e pelo mercado (0,5%). Na variação com o mesmo mês do ano passado a queda foi de 0,3%.

O varejo ampliado, que inclui as atividades de material de construção e de veículos, apresentou estabilidade na leitura de junho na série com ajusta sazonal, também bastante abaixo do esperado por nós (1,3%) e pelo mercado (0,6%).

Os dados do varejo apresentaram direções opostas no fechamento deste segundo trimestre, enquanto o Varejo Ampliado avança 1,2% contra o primeiro trimestre, o Varejo Restrito recua em 0,3% na mesma métrica. De modo geral, tal discrepância pode ser explicada, por um lado pela expansão de vendas de veículos (+4,3% no trimestre) que contribuiu positivamente no varejo ampliado, e por outro, o baixo dinamismo dos ganhos salariais e fragilidade do mercado de trabalho mina os avanços das categorias mais atreladas à renda bastante presente no varejo restrito.

De modo geral, a leitura desta publicação é mais um dado que reforça o cenário de retomada bastante gradual da economia.

Já o IPCA de junho apresentou taxa de inflação de 0,19% abaixo do esperado por nós (0,21%) e do mercado (0,24%). Com este resultado, a inflação acumulada em 12 meses passou de 3,36% para 3,22%. Além do bom desempenho do índice cheio, diversas métricas com viés mais qualitativo (serviços, núcleos e etc.) voltaram a apresentar trajetória claramente benigna após alguma leve pressão em meados de maio.

Para o mês de agosto, a expectativa é de inflação ainda benigna em nível próximo ao verificado em julho (0,19%). Para o ano, após o resultado de julho, revisamos nossa expectativa para o IPCA de 2019 de 3,8% para 3,6%. Além disso, destacamos que a inflação de serviços deverá terminar o ano, em termos dessazonalizados e anualizados, próximo a 3,5%. Já para 2020 projetamos IPCA de 3,8%.

Desta forma, considerando nossas projeções para a inflação e o reconhecimento por parte do BCB de que a política monetária tem de ser ajustada, recentemente também revisamos nossa expectativa para taxa SELIC de 5,5% para 5,0% no final do ano, patamar que deverá permanecer até final de 2020.

Próxima Semana

Para a próxima semana, os destaques serão os dados do índice de atividade econômica do BCB (IBC-Br) assim como o IGP-10 de julho.

Para o índice de atividade esperamos crescimento de 0,29% em junho ante maio na série livre de sazonalidade. Na comparação contra o mesmo período do ano anterior nossa projeção é de queda de 2,07%.

Para o IGP-10 de julho nossas perspectivas são de taxa de inflação de 0,20%, desacelerando em relação ao mês anterior (+0,61%).



Rafael G. Cardoso, economista-chefe

rafael.cardoso@bancodaycoval.com.br

Antônio Castro

antonio.castro@bancodaycoval.com.br



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Privacy Settings
We use cookies to enhance your experience while using our website. If you are using our Services via a browser you can restrict, block or remove cookies through your web browser settings. We also use content and scripts from third parties that may use tracking technologies. You can selectively provide your consent below to allow such third party embeds. For complete information about the cookies we use, data we collect and how we process them, please check our Privacy Policy
Youtube
Consent to display content from Youtube
Vimeo
Consent to display content from Vimeo
Google Maps
Consent to display content from Google
Spotify
Consent to display content from Spotify
Sound Cloud
Consent to display content from Sound