ENTRETENIMENTO

Com as mãos e o coração na madeira

Cortar, lixar, esculpir, montar. É cada vez maior o número de pessoas que procura cursos de marcenaria. Para muitos, a atividade vai além de um hobby: é terapia, ofício e vocação.

A rotina de boa parte dos profissionais modernos resume-se a horas a fio com os olhos pregados na tela do computador, além de ter de acompanhar, a todo instante, as notificações incessantes no celular. Não à toa, muitas pessoas têm buscado nas artes manuais um antídoto contra o estresse do dia a dia provocado pelas crescentes obrigações da vida corporativa e digital. A marcenaria é uma dessas atividades.

A demanda tem sido suprida por várias escolas de marcenaria artesanal, que oferecem cursos com duração e focos variados. Em muitos casos, o que começa como um hobby acaba se tornando parte importante da vida de quem acredita que poucas coisas são mais satisfatórias que pensar em um projeto e executá-lo do começo ao fim com as próprias mãos. Conheça a seguir pessoas que se dedicam à prática e ao ensino desse belo ofício.

Pioneirismo e paixão

A marcenaria surgiu na vida de Piero Calò ainda na adolescência. Ele aprendeu o ofício aos 17 anos, como aprendiz na oficina de Mauro Calabi, artesão que estudou na Itália e teve papel importante na formação de muitos marceneiros brasileiros. Algum tempo depois, a marcenaria foi a resposta para satisfazer a veia artística do estudante de Artes Plásticas e exercitar o pragmatismo de quem também estudou Administração de Empresas. “Foi uma forma de juntar a área artística com a prática”, diz.

Assim nasceu a marcenaria Cose di Legno, em 1980, no bairro de Pinheiros, em São Paulo. O prazer do trabalho, no entanto, foi afetado pela turbulência de sucessivos planos econômicos malfadados e por uma hiperinflação que corroía os negócios e ameaçava o futuro de pequenos empreendimentos, como o de Piero. “A marcenaria já existia havia cerca de 10 anos, resistiu aos governos Collor e Sarney, mas a situação estava muito difícil. Chegou a um ponto em que decidi vender tudo e fazer outra coisa”, relembra. O plano era começar a trabalhar com pedras brasileiras, fazer joias, mas a ideia de fechar a marcenaria o entristecia. Ele resolveu então abrir o espaço à noite para dar aulas. Por um ano, a Cose di Legno funcionou como marcenaria durante o dia e escola à noite. A ideia deu tão certo que desde 1990 o espaço tornou-se exclusivo para aulas.

A Cose di Legno é uma das escolas pioneiras em São Paulo. As aulas vão além de ensinar a desenhar e produzir um móvel. Segundo Piero, para trabalhar bem é preciso entender a parte biológica da matéria-prima, saber identificar veios e fibras da madeira para comprar o material adequado e montar o móvel de maneira correta. É por isso que lá todos os alunos aprendem um pouco da disciplina batizada de Teoria da Madeira. “Sempre achei importante ensinar a Teoria da Madeira. Posso dizer que o pessoal sai daqui com uma boa base.”

Segundo Piero, a esmagadora maioria (praticamente 99%) dos alunos que chegam à escola buscam a marcenaria como um hobby, uma forma de relaxar. “Há profissionais de todas as áreas: médicos, profissionais de TI, advogados, engenheiros”, diz. “E também aqueles que querem efetivamente abrir uma empresa ou vêm para se especializar em uma determinada técnica, mas são a minoria.”

Slow Wood

Inspirado pelo movimento Slow Food, nascido na Itália em meados da década de 1980, que defende o acesso ao alimento bom, limpo e justo para todos, Piero resolveu criar seu próprio manifesto nos anos 1990, o Slow Wood. Nele, chama a atenção para o impacto ambiental da extração desenfreada da madeira, o desaparecimento dos artesãos e a necessidade de produzir peças de qualidade, para que durem mais e possam ser reaproveitadas. O móvel ideal, segundo ele, é de madeira maciça de lei, que é de crescimento muito lento e exige mais habilidade do marceneiro. cosedilegno.com.br

Faça você mesmo

É comum chegarem à oficinalab pessoas que nunca manusearam serras e lixas, entre outras ferramentas, e que saem de lá algumas aulas depois carregando um objeto de madeira novinho em folha feito por elas. O papel da escola de marcenaria fundada pelos arquitetos Alex Uzueli e Daniel Sene é este mesmo: incentivar os alunos a fazer.

Antes da oficinalab, Alex e Daniel eram sócios da Labmob – rebatizada de LAB74, que, além de oficinas de marcenaria, hoje oferece aulas de joalheria, costura e até coquetelaria.

Instalada na Barra Funda, em São Paulo, a oficinalab funciona também como coworking e aluga espaço para alunos e ex-alunos que desejam tocar projetos especiais, independentemente das aulas. “A escola foi pensada para receber pessoas criativas de todas as áreas, com ou sem experiência em marcenaria. Nós ajudamos o aluno a desenvolver e executar o projeto”, revela Alex, professor há 5 anos.

A oficinalab oferece desde cursos rápidos até módulos que duram vários meses, voltados à execução de projetos mais complexos. “Gosto de pensar na escola como um espaço para as pessoas se reencontrarem com o fazer”, diz Alex. “Nós nos distanciamos de processos muito naturais, como construir e criar. Por isso, considero o ato de produzir algo profundamente transformador.”
oficinalab.com.br

De aluna a professora

A marcenaria surgiu na vida da dentista Elke Noda em um momento pessoal e profissional difícil. Ela havia acabado de voltar a São Paulo, depois de viver por alguns anos em Santa Catarina. Resolveu fazer o curso da Labmob, com o objetivo de aprender o máximo possível. “Sempre gostei de trabalhos manuais, mas achava que mexer com madeira era muito difícil, inacessível.”

Essa primeira impressão não a impediu de chegar à escola com uma proposta ousada para quem nunca tinha trabalhado com madeira: uma estante de cerca de 70 cm de largura por 1,80 m de altura, com porta e gaveta. Para tornar a tarefa ainda mais desafiadora, parte do móvel era de madeira maciça, material mais difícil de trabalhar. Após quatro meses de muita dedicação, a estante estava pronta para ir para casa.

Desde então, ela não parou mais. O projeto seguinte, uma prancha de stand-up paddle, foi feita na marcenaria de um amigo de seu irmão.

O Oficina de colher

Hoje, Elke fabrica e comercializa uma linha de peças de madeira em sua loja online composta de colheres, pra – tos para bolo e porta-copos e criou uma linha de tábuas para o restaurante Maní, da chef Helena Rizzo. A ideia de ensinar a esculpir colheres surgiu da vontade de fazer coisas novas, que ela não encontrava por aqui, e da falta de oficinas específicas. “Comecei a esculpir colheres sozinha, com ferramentas erradas, sem muita técnica.” Em uma viagem a São Francisco, na Califórnia (EUA), boa parte das férias foi dedicada a um workshop de colher. O curso ajudou Elke a refinar a técnica e a inspirou a montar sua própria oficina. Mesmo quem nunca trabalhou com madeira sai da oficina com uma colher prontinha. Na hora do lanche, há sem – pre um quitute preparado pela professora. “Quando me aposentar, daqui a uns sete anos, pretendo ter um ateliê pequeno com um café anexo. Não será uma cafeteria, mas um lugar para as pessoas irem conhecer meu trabalho e tomarem um café.”
studioelkenoda@gmail.com

Mais que um hobby

Fazer coisas era uma das brincadeiras favoritas da arquiteta Paula Bartorelli na infância. “Meu pai sem – pre me deixou mexer na caixa de ferramentas, usar serra, prego, essas coisas”, conta. A faculdade de Arquitetura ajudou a aprimorar as habilidades e o gosto por construir peças para a casa. “Quando precisava de um móvel para a cozinha, comprava madeira, cortava e fazia. Não tinha técnica nenhuma, era tudo na raça.”

Quando soube do curso de marcenaria na oficinalab, as coisas estavam meio paradas no escritório de arquite – tura BM Estúdio, que Paula fundou em parceria com o arquiteto e designer Fabio Mendes. “Resolvi aprender um pouco de técnica, já que fazia tudo muito intuitivamente”. Desde o primeiro curso, há dois anos, ela não parou mais de criar e fazer objetos de madeira.

As primeiras peças foram criados -mudos de madeira maciça inspirados no móvel de um amigo da família. “Foi uma escolha ousada como primeira peça. Es – colhi usar madeira maciça, material que muda conforme a umidade, expande, tem movimento. Madeira é algo vivo, e tudo o que poderia dar errado deu… en – tão aprendi bastante”, conta, rindo.

Pouco a pouco, o hobby acabou se transformando na linha de objetos BM Estúdio, composta de luminárias, poltronas e estantes, vendidos na loja online Boobam. Peças mais populares, como a estante Trinca, carro-chefe do estúdio, foram idealizadas por Paula, mas têm a produção terceirizada por serem mais complexas. O restante é produzido por ela, uma das marceneiras residentes da oficinalab. “Hoje produzo muito mais do que achei que poderia. Fui melhorando a técnica e a velocidade do trabalho.”
bmestudio.com.br

Texto Cíntia Bertolino | Fotos Mário Águas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Privacy Settings
We use cookies to enhance your experience while using our website. If you are using our Services via a browser you can restrict, block or remove cookies through your web browser settings. We also use content and scripts from third parties that may use tracking technologies. You can selectively provide your consent below to allow such third party embeds. For complete information about the cookies we use, data we collect and how we process them, please check our Privacy Policy
Youtube
Consent to display content from Youtube
Vimeo
Consent to display content from Vimeo
Google Maps
Consent to display content from Google
Spotify
Consent to display content from Spotify
Sound Cloud
Consent to display content from Sound