PALAVRA DO ECONOMISTA

Produção industrial: recuperação de bens de capital e bens duráveis é surpresa positiva

PIM abril/19

Veja o relatório em PDF aqui

Em abril, a produção industrial avançou 0,3% na série com ajuste sazonal. Tal resultado foi inferior à mediana de mercado da Bloomberg, cuja expectativa era de crescimento de 0,7%. Na comparação com abril de 2018, no entanto, o resultado foi de queda de 3,9%.

O desempenho pior que o esperado pode ser explicado, em alguma parcela mas não totalmente, ao baixo desempenho de indústria extrativa, que nesta leitura, caiu 9,7% ante março, na série com ajuste sazonal e 24% contra abril do ano anterior, sem ajuste sazonal. A trajetória negativa dos últimos meses desta agremiação, principalmente após fevereiro, se deve principalmente ao desastre de Brumadinho-MG.

No entanto, a despeito de um número fechado aquém do esperado e de tendência errática da produção industrial, categorias relacionadas a decisões de longo prazo, como bens de consumo duráveis (3,4%) e bens de capital (2,9%) apresentaram melhora na margem nesta leitura, ainda que em patamares baixos em comparação ao período anterior à greve dos caminhoneiros, fenômeno que afetou de forma considerável a tendência da indústria em geral.

É importante destacar que Bens de Capital é um indicativo de investimentos produtivos, da expectativa dos empresários em relação à demanda futura e tem começado a mostrar reação nos números industriais. Tal fenômeno é divergente com a leitura de Formação Bruta de Capital Fixo da divulgação do PIB que apresenta trajetória pior na margem. Desta forma, o melhor desempenho de Bens de Capital na PIM poderá se traduzir em melhor leituras de FBKF à se confirmar nas próximas divulgações do PIB.

Em resumo, os dados da Produção Industrial de abril, a despeito de um cenário de retomada bastante gradual, de dificuldades do setor extrativo mineral e de alta capacidade ociosa apresentou uma situação pouco melhor para categorias mais atreladas a decisões de longo prazo (bens de capital e bens duráveis), mas carecerá de confirmação ao longo dos próximos meses.

Nossa expectativa de crescimento para este ano, após a divulgação do PIB do primeiro trimestre foi alterada de 1,8% para 1,0%. Tal revisão é baseada em diversos fatores dos quais destaca-se: (i) menor dinamismo da atividade econômica global, (ii) queda dos índices de confiança maior que o antecipado e; (iii) alteração do nível de poupança privada na economia brasileira. Para 2020 também revisamos nossa projeção de 2,5% para 2,0%.

Neste sentido, vislumbramos que 2019, assim como 2018, será caracterizado pelo baixo crescimento, inflação abaixo da meta, apesar da política de juros baixos praticada pelo Banco Central. Projetamos 3,9% para o IPCA e 5,5% para a taxa SELIC no final de 2019.

 

Rafael G. Cardoso, economista-chefe

rafael.cardoso@bancodaycoval.com.br

Antônio Castro

antonio.castro@bancodaycoval.com.br

Privacy Settings
We use cookies to enhance your experience while using our website. If you are using our Services via a browser you can restrict, block or remove cookies through your web browser settings. We also use content and scripts from third parties that may use tracking technologies. You can selectively provide your consent below to allow such third party embeds. For complete information about the cookies we use, data we collect and how we process them, please check our Privacy Policy
Youtube
Consent to display content from Youtube
Vimeo
Consent to display content from Vimeo
Google Maps
Consent to display content from Google
Spotify
Consent to display content from Spotify
Sound Cloud
Consent to display content from Sound