PALAVRA DO ECONOMISTA

Agenda Econômica – 31/12 à 04/01

Principais Eventos e Indicadores

Veja aqui os eventos da próxima semana

Próxima semana

Devido ao feriado de ano novo a agenda econômica da próxima semana será reduzida. Será também uma semana de indicadores com menor relevância. O destaque doméstico serão as divulgações da utilização da capacidade instalada pela CNI na quarta-feira (02) e a inflação da cidade de São Paulo divulgada pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (FIPE) na sexta-feira (04). Para o IPC-FIPE nossas projeções, tanto para a publicação que abrange o período da terceira semana quanto para o consolidado do mês, apontam para variação nula (0,00%).
No exterior os destaques são a divulgação do Payroll nos Estados Unidos e também da taxa de desemprego. A expectativa de mercado é de criação de 180 mil vagas de emprego e de manutenção da taxa de desemprego em 3,7%.

Semana Anterior

A semana encurtada pelas festividades de Natal teve a agenda econômica esvaziada. Os destaques foram o IGP-M e a PNAD (taxa de desemprego), ambos divulgados hoje.

O IGP-M recuou para -1,08% em dezembro, resultado que ficou próximo à expectativa do mercado e abaixo da nossa (-1,10% e -0,99%, respectivamente), após queda de -0,49% no mês anterior. O destaque da queda ficou por conta dos preços ao produtor (IPA), que intensificou a queda de -0,81% no mês anterior para -1,67% em dezembro, impulsionado pelo recuo dos preços industriais (de -0,24% para -1,77%), enquanto os preços de produtos agropecuários registraram variação menos negativa (de -2,51% para -1,35%). O IPC, índice de preços ao consumidor, por sua vez, variou de +0,09% para +0,04% em dezembro, com destaque para o grupo Transportes (de -0,10% para -0,90%). Por fim, o INCC, que mede os preços da construção civil, registrou variação de +0,13% no mês, ante alta de +0,26% em novembro. Com isso, o IGP-M acumulou alta de +7,54% no ano de 2018. Com os números mais atuais de inflação colocamos viés de baixa para nossa projeção de 0,08% para o IPCA dezembro.

Os dados da PNAD (taxa de desemprego) continuaram mostrando um mercado de trabalho fragilizado. Na margem a taxa de desemprego caiu de 11,7% para 11,6%, entretanto em termos dessazonalizados permaneceu estável em 12,1%. Na abertura dos dados os destaques ficam por conta da moderação do ritmo de crescimento da população ocupada, que tinha ganhado ímpeto em meados do ano. Além disso também chama a atenção a forte criação da vagas informais sem repercussão em vagas formalizadas. Neste sentido, o mercado de trabalho ainda segue em ritmo de recuperação moroso com repercussões sobre a renda e, também, inflação.

 

Rafael G. Cardoso, economista-chefe
rafael.cardoso@bancodaycoval.com.br

Antônio Castro
antonio.castro@bancodaycoval.com.br

 

Privacy Settings
We use cookies to enhance your experience while using our website. If you are using our Services via a browser you can restrict, block or remove cookies through your web browser settings. We also use content and scripts from third parties that may use tracking technologies. You can selectively provide your consent below to allow such third party embeds. For complete information about the cookies we use, data we collect and how we process them, please check our Privacy Policy
Youtube
Consent to display content from Youtube
Vimeo
Consent to display content from Vimeo
Google Maps
Consent to display content from Google
Spotify
Consent to display content from Spotify
Sound Cloud
Consent to display content from Sound