PALAVRA DO ECONOMISTA

Agenda da Semana – 16/05 a 20/05

Tabela com projeções aqui

Nesta semana, foi divulgada a inflação ao consumidor dos Estados Unidos. Na margem a variação foi de 0,3% totalizando 8,3% em 12 meses, enquanto o núcleo, que exclui alimentos e energia variou 0,6% no mês acumulando 6,2% em 12 meses.

Ainda que tenha havido surpresas altistas na margem, foi concentrada em poucos itens, como passagens aéreas. Para além disso, a preocupação mais notável é em torno de itens mais inerciais como os relacionados a habitação que segue com forte pressão e sinais de persistência para os próximos meses.

Neste sentido, mesmo que não haja novos choques de preços, a trajetória inflacionária deve seguir sendo alimentada pelo aquecimento do mercado de trabalho que permanece com dinâmica positiva. Desta forma, o cenário prospectivo continua desafiador pela ótica da inflação. Atualmente esperamos que o CPI encerre o ano em 4,5% e 2023 em 2,5%.

Brasil

Atividade Econômica

No Brasil, os dados de atividade mostraram um relevante avanço no ímpeto da recuperação econômica. O avanço dos indicadores da indústria, comércio e serviços foram todos acima do esperado pelo mercado e por nós. Os setores relacionados a bens de consumo foram as principais surpresas, pois era esperado um arrefecimento devido às dificuldades na aquisição de insumos, associado à desorganização das cadeias globais de valor e maior tempo de frente, assim como por pressões e estoques baixos. Porém, essa expectativa foi frustrada devido ao melhor ritmo do mercado de trabalho no final de 2021 e intensificado neste começo de ano, este movimento elevou a massa de rendimento total de economia, dando folego maior ao consumo.

O setor de serviços também mostrou leituras acima do esperado e com trajetória melhor à inferida por nós.

A conjunção de dados de atividade e emprego melhores que o esperado por nós, nos fez revisar nossa expectativa para o Produto Interno Bruto (PIB) de 0,5% para 1,0% em 2022. Em 2023, no entanto, nossa projeção indica crescimento em ritmo menor de 0,3%, devido principalmente ao freio monetária que se materializará em maior intensidade no próximo ano.

Com a divulgação dos dados de março, nossa expectativa para o crescimento do PIB no primeiro trimestre deste ano é de 0,9% na comparação com o trimestre imediatamente anterior. E para o trimestre seguinte, de aproximadamente 0,2%, ambos, porém, possuem viés de alta, assim como nossa projeção para o ano fechado, isso porque as transferências de renda feitas pelo Governo e a liberação do FGTS e antecipação do 13º salário do INSS servirão como impulso extra à atividade econômica em 2022.

Inflação

Na seara inflacionária, o destaque desta semana foi a divulgação do IPCA referente ao mês de abril, que mostrou alta de 1,06%, pouco acima da nossa projeção de 0,95%.

As principais surpresas altistas ocorreram no grupo de Bens Industriais (1,30% ante 0,78% de projeção) e de Serviços (0,65% ante 0,54% de projeção). No primeiro, produtos de higiene, móveis, eletrodomésticos e TVs apresentaram alta mais forte do que prevíamos. Já em Serviços a surpresa ficou por conta de alimentação fora e serviços automotivos que também apresentaram elevação maior do que o esperado.

Por outro lado, alimentação no domicílio apresentou crescimento menor do que esperávamos em função de alta menor em hortaliças, frutas, aves e diversos itens do grupo in natura como tomate e cenoura. Entretanto, a variação total do grupo foi bem alta para o mês (2,59%), refletindo ainda os impactos do clima adverso.

Por fim, embora os preços administrados tenham vindo em linha com o esperado, os remédios apresentaram alta bem mais expressiva de um lado e a gasolina, óleo diesel e energia elétrica vieram mais fracos por outro.

A inflação no acumulado em 12 meses atingiu 12,13% em abril e nossa projeção preliminar para o IPCA de maio é de 0,54%, sugerindo que o pico da inflação tenha pode ter ocorrido em abril. Contudo, diante da enorme defasagem do preço doméstico da gasolina em relação ao preço internacional e da incerteza sobre a realização dos reajustes pela Petrobrás, essa projeção pode variar fortemente.

Para este ano a nossa projeção de inflação avançou de 7,8% para 8,2% e mantivemos em 4,3% para 2023.

Política

Nesta semana foram divulgadas quatro pesquisas. Os levantamentos mostram um comportamento estável para Lula nos cenários de primeiro e segundo turno, enquanto Jair Bolsonaro desacelera na margem, mas ainda segue em crescimento e reduzindo a diferença entre eles. Esse avanço de Bolsonaro ocorreu com a desidratação da terceira via causada pela desistência da candidatura de Sergio Moro à presidência, pelas movimentações no PSDB e pela melhora na percepção do governo, influenciada pelo Auxílio Brasil e melhora da atividade econômica no geral.

 No levantamento elaborado pela CNT/MDA, para o cenário estimulado de primeiro turno, o ex-presidente Lula aparece com 41% das intenções de voto, Bolsonaro com 32%, seguido por Ciro Gomes com 7% e João Doria com 3%. Para um cenário de segundo turno, Lula ganha de todos os candidatos. Contra Bolsonaro (de 51% a 37%), a diferença caiu de 18 para 14 p.p. ante a última pesquisa divulgada em fevereiro.

No estudo divulgado pela Genial/Quaest, Lula subiu para 46% e Bolsonaro continua com 31% das intenções no primeiro turno, seguido de Ciro com 9% e Doria com 4%. Para o segundo turno, Lula ganha do presidente de 54% a 34%, diferença de 20 pontos.

Conforme divulgado pelo PoderData, para o primeiro turno, Lula aparece com 42%, Bolsonaro com 35%, Ciro com 5% e Doria com 4%. No embate de segundo turno, Lula ganha de Bolsonaro por 49% a 38%, a diferença entre eles subiu de 9 para 11 pontos, ante última pesquisa.

Na pesquisa divulgada hoje pela XP/Ipespe, Lula continua com 44% das intenções, seguido de Jair Bolsonaro com 32%. Adiante, Ciro aparece com 8% das intenções e João Doria com 3%. Num eventual segundo turno, Lula ganharia de Bolsonaro por 54% a 35% respectivamente. A diferença entre eles diminuiu de 20 para 19 pontos.

Próxima Semana

Para a próxima semana, a agenda será marginalmente esvaziada, com destaque para o índice de atividade econômica do Banco Central do Brasil (IBC-Br) referente a março, mas com incertezas sobre sua divulgação uma vez que funcionários da autarquia estão de greve em busca de reajuste salarial. Nossa projeção, no entanto, é de crescimento de 1,0% na variação mensal e 1,8% na comparação contra igual período do ano anterior.

Para mais indicadores, veja nosso calendário em anexo aqui

Rafael G. Cardoso, economista-chefe

rafael.cardoso@bancodaycoval.com.br

Julio Mello de Barros, economista

julio.barros@bancodaycoval.com.br

Antônio Castro, analista econômico

antonio.castro@bancodaycoval.com.br

João Pedro Sanches

joao.sanches@bancodaycoval.com.br

Privacy Settings
We use cookies to enhance your experience while using our website. If you are using our Services via a browser you can restrict, block or remove cookies through your web browser settings. We also use content and scripts from third parties that may use tracking technologies. You can selectively provide your consent below to allow such third party embeds. For complete information about the cookies we use, data we collect and how we process them, please check our Privacy Policy
Youtube
Consent to display content from Youtube
Vimeo
Consent to display content from Vimeo
Google Maps
Consent to display content from Google
Spotify
Consent to display content from Spotify
Sound Cloud
Consent to display content from Sound