PALAVRA DO ECONOMISTA

Agenda Econômica – 10/12 à 14/12

Principais Eventos e Indicadores

Veja aqui os eventos da próxima semana

Próxima semana

No Brasil, a próxima semana terá diversos eventos domésticos relevantes. O destaque sem dúvidas será a reunião do Comitê de Política Monetária (COPOM) do Banco Central do Brasil. Nós esperamos que haja manutenção da taxa SELIC em 6,5%. Além disso, também esperamos alguma mudança na comunicação do BCB reconhecendo a melhora do balanço de riscos e sinalizando com a estabilidade da taxa SELIC durante algum período.

No decorrer da semana também haverá divulgação de importantes dados de atividade econômica, como a Pesquisa Mensal do Comércio – PMC, também conhecida como vendas no varejo (quinta-feira), e a Pesquisa Mensal de Serviços (sexta-feira). Além disso também serão divulgados o IPC-Fipe (terça-feira) e o IGP-10 (sexta-feira) para os quais projetamos 0,04% e -1,37% na margem, respectivamente, e 7,77% em12 meses para o IGP-10.

No exterior os destaques serão a divulgação da inflação norte-americana (quarta-feira), a decisão de política monetária da zona do euro (quinta-feira) e dados de atividade na China. Além destes dados haverá divulgação de PMI’s de diversas regiões.

Semana Anterior

Nesta semana os principais indicadores publicados foram: IPCA, IGP-DI e Pesquisa Industrial Mensal.

O IPCA registrou deflação de 0,21% no mês de novembro. Tal valor foi abaixo da nossa expectativa de deflação de 0,10% e do mercado de 0,09%, com este valor o índice acumula em 12 meses alta de 4,03%.

Na abertura vemos que os principais responsáveis foram, conforme havíamos destacado anteriormente, as categorias de habitação e transportes. Dentro destas categorias os itens de maior queda foram combustíveis (-0,15p.p) e energia elétrica residencial (-0,16p.p).

Além disso, os núcleos apresentaram comportamento benigno o que, em nossa opinião, reforça nosso cenário de inflação controlada e manutenção da taxa de juros estável nos próximos trimestres.

Outro indicador de inflação que também nos surpreendeu foi o IGP-DI cujo valor foi -1,14%. O resultado abaixo muito abaixo da nossa projeção (0,60%) e do mercado (0,62%). No acumulado em 12 meses o índice cresce 8,38%.

E por fim a produção industrial registrou crescimento de 0,2% na comparação com o mês anterior e de 1,1% na comparação com o mesmo período do ano anterior. Por mais que o resultado tenha decepcionado, na abertura do indicador vemos que as principais agremiações que registraram resultado positivo foram Bens de Capital e Bens de Consumo Duráveis o que é compatível com a expansão de investimento que vimos nos resultados do PIB.

 

Rafael G. Cardoso, economista-chefe
rafael.cardoso@bancodaycoval.com.br

Antônio Castro
antonio.castro@bancodaycoval.com.br

Privacy Settings
We use cookies to enhance your experience while using our website. If you are using our Services via a browser you can restrict, block or remove cookies through your web browser settings. We also use content and scripts from third parties that may use tracking technologies. You can selectively provide your consent below to allow such third party embeds. For complete information about the cookies we use, data we collect and how we process them, please check our Privacy Policy
Youtube
Consent to display content from Youtube
Vimeo
Consent to display content from Vimeo
Google Maps
Consent to display content from Google
Spotify
Consent to display content from Spotify
Sound Cloud
Consent to display content from Sound