PALAVRA DO ECONOMISTA

Agenda Econômica 13/12 a 17/12

Veja aqui os eventos da próxima semana

Internacional

O que passou: Nesta semana, o foco externou ficou para o avanço da variante ômicron pelo mundo e também para os dados de inflação nos Estados Unidos da América (EUA).

Sobre a ômicron ainda há bastante incerteza sobre a nova variante da COVID-19, porém o indicativo de que uma terceira dose da vacina da Pfizer seria suficiente para combater a nova cepa foi vista como positiva pelos mercados nesta semana. Porém o desconhecimento da capacidade efetiva de transmissão da variante e sua letalidade ainda permanecem como um risco à recuperação da atividade econômica global.

Ainda sobre a pandemia, a Europa vem sofrendo com uma alta significativa de casos, principalmente na Alemanha e outras regiões como Reino Unido, já ensaiam novas restrições de mobilidade e controles para combater o crescente número de casos na região. O risco para uma continuada escalada nos casos é a pressão sobre o sistema de saúde e consequente aumento no número de novos óbitos.

Sobre a inflação nos EUA, a leitura do índice fechado mostrou alta de 0,8% em novembro, desacelerando em relação ao mês anterior quando havia subido 0,9%, mas ainda assim acima do esperado pelo mercado de 0,7%.

As preocupações com uma inflação mais alta nos EUA tem alterado, mesmo que de forma bastante gradual, a postura do Banco Central americano, o Federal Reserve (Fed). Com a divulgação de novembro, o acumulado em 12 meses do CPI passou de 6,2% para 6,8%, bem acima da meta de 2% do Fed. E esta piora do cenário inflacionário já reflete numa expectativa de elevação do ritmo do tapering de $15 bilhões para $30 bilhões ao mês e também de altas de juros pela autoridade monetária ainda em 2022.

Próxima semana: Para a próxima semana, os destaques da agenda serão as decisões de política monetária do Fed e do Banco Central Europeu (BCE), assim como os dados de atividade econômica de diversas regiões. Os dados da produção industrial e vendas no varejo da China, Estados Unidos e Zona do Euro referente à novembro, mostrarão se a nova variante ômicron e a alta de casos na Europa já afeta a atividade econômica global.

Brasil

O que passou: No cenário doméstico a semana foi agitada devido à decisão de política monetária do BC brasileiro, números de inflação de novembro e também devido aos dados de atividade econômica do varejo referente a outubro.

Sobre a decisão de juros, tivemos nesta semana a última reunião do COPOM para este ano. Conforme havíamos comentado na semana passada, nossa expectativa de que o BC elevaria a taxa Selic em 150 pontos base, ou seja, de 7,75% a.a. para 9,25% a.a. se concretizou. Contudo, havia enorme dúvidas quanto ao tom do comunicado a ser apresentado pelo BC.

Nossa expectativa era de que diante do quadro deteriorado de inflação tanto corrente quanto das expectativas futuras, o BC fosse explicitar maior intolerância em relação a este ambiente e, portanto, mostrar mais firmeza em suas intenções. O comunicado veio na direção do que achávamos, porém veio ainda mais duro e firme na sua luta para combater o processo inflacionário.

Sobre a atividade econômica, se havia alguma dúvida de que uma atividade mais fraca no próximo ano poderia fazer o BC agir de forma mais moderada neste momento, a pouca menção feita sobre o assunto mostrou que o BC não parece estar disposto a arriscar perder sua credibilidade. Neste mesmo sentido, também sinalizou outro ajuste de mesma magnitude para a próxima reunião e deixou claro que pretende conduzir a política monetária para um terreno significativamente contracionista.

A estratégia adotada envolve perseverar no objetivo de não apenas desinflacionar, mas também reancorar as expectativas de inflação dos próximos anos que se encontram acima de suas respectivas metas.

A dúvida que surge agora e que poderá ser melhor compreendida na divulgação da Ata e do RTI na próxima semana é se o BC no final do ciclo de aperto monetário elevará os juros para um patamar muito maior do que o usado em suas projeções (foi usada trajetória de juros extraída do focus com juros em 11,25% ao final de 2022) ou se a expressão “perseverar” que foi utilizada, significa o objetivo de manutenção dos juros em patamar elevado por mais tempo até que seus dois objetivos (desinflacionar e ancorar) sejam realizados.

Em linhas gerais, nossa expectativa é que o BC siga o que entendemos ser o seu plano de voo e continue elevando os juros até a reunião de março do próximo ano, levando a Selic para 12,25%. Entretanto, não descartamos a possibilidade de extensão do ciclo, porém num ritmo menor de alta de juros.

Já sobre o IPCA de novembro, a divulgação nesta manhã pelo IBGE do índice de preços mostrou uma surpresa positiva. A taxa de variação deste indicador apresentou alta menor (0,95%) em relação ao que era esperado por nós (1,01%) e pela mediana do mercado (1,10%).

O grande destaque baixista ocorreu no grupo de Alimentos e Bebidas (-0,04%), resultado este que pode ser explicado pela deflação no subgrupo Alimentação Fora do Domicílio (-0,25%) e alguns itens de Alimentação no Domicílio como Arroz (-3,58%), Feijão (-2,32%), Carnes Vermelhas (-1,41%), Leites e Derivados (-1,47%), Frutas (-0,42%).

Também houve desaceleração no grupo de Bens Industriais como resultado dos descontos na Black Friday. A principal queda ocorreu no subgrupo Produtos de Higiene (-3,0%) em função da queda de mais de 10% dos preços dos Perfumes. Entretanto, continuamos observando forte pressão de preços em diversos itens deste grupo como Automóveis novos e usados, Mobiliário e Eletrodomésticos.

Já no grupo de Serviços a surpresa ficou por conta de Alimentação fora que apresentou deflação, porém alguns itens com características mais inerciais como Aluguéis e outros itens ligados a turismo como Hospedagem tiveram alta maior em relação ao que era esperado.

Em resumo, o resultado mostra arrefecimento em relação ao número de inflação de outubro (1,25%). Entretanto, nos parece muito concentrado em alguns itens conforme mostrado acima. Não está claro se a melhora observada em Alimentação significa uma tendência a partir de agora. O IPCA deste mês foi fortemente influenciado pela Black Friday e, portanto, não deve ocorrer novamente nos próximos meses. Nesse sentido, após este resultado alteramos nossa projeção de IPCA para o fechamento deste ano para 10% (ante 10,1%). Para o próximo ano não houve alterações e mantivemos previsão de 4,7%.

Por fim, as vendas no varejo de outubro continuaram a mostrar desempenho ruim do setor de bens. O comércio varejista cedeu 0,1% em outubro no conceito restrito e -0,9% no conceito ampliado, que inclui as vendas de veículos e material de construção. A queda da atividade no comércio foi disseminada e 7 dos 10 setores da PMC apresentaram variação negativa e 5 dos 10 setores estão abaixo do nível pré pandemia.

Nesta leitura, os grupos mais sensíveis à renda apresentaram variação nula enquanto os setores mais relacionados ao crédito foram os mais afetados com variação negativa de 0,6%. E esta queda já pode ser relacionado como um dos efeitos da normalização monetária iniciada no início do ano.

No resumo, com mais esta leitura dos dados de atividade, fica evidente a desaceleração do setor de bens impondo dificuldades à economia brasileira em perseverar no processo de recuperação e a normalização monetária já impõe seus custos, com menor intensidade em 2021, mas com impacto principal em 2022, onde nossa projeção de crescimento do PIB é de 0,5%.

Próxima Semana: Para a próxima semana, os destaques da economia doméstica serão os dados de atividade econômica com o IBC-BR de outubro, além da Ata do COPOM referente à decisão de política monetária desta semana e também para o Relatório Trimestral de Inflação do BC que mostrará mais detalhes sobre a visão de conjuntura do BC além de suas expectativas para e economia brasileira sobre atividade e inflação.

Rafael G. Cardoso, economista-chefe

rafael.cardoso@bancodaycoval.com.br

Julio Mello de Barros, economista

julio.barros@bancodaycoval.com.br

Antônio Castro, analista econômico

antonio.castro@bancodaycoval.com.br

Privacy Settings
We use cookies to enhance your experience while using our website. If you are using our Services via a browser you can restrict, block or remove cookies through your web browser settings. We also use content and scripts from third parties that may use tracking technologies. You can selectively provide your consent below to allow such third party embeds. For complete information about the cookies we use, data we collect and how we process them, please check our Privacy Policy
Youtube
Consent to display content from Youtube
Vimeo
Consent to display content from Vimeo
Google Maps
Consent to display content from Google
Spotify
Consent to display content from Spotify
Sound Cloud
Consent to display content from Sound