PALAVRA DO ECONOMISTA

Agenda Econômica – 25/10 a 29/10

Veja aqui os eventos da próxima semana

  • COVID-19: Nesta semana, a pandemia de COVID-19 continuou a desacelerar na América do Norte e América do Sul, assim como na região asiática. Porém, Europa e Leste Europeu vêm sofrendo com altas de casos no Reino Unido e Rússia.
  • Exterior: No cenário externo, a queda da produção industrial americana em setembro mostrou que a atividade industrial vem sofrendo em diversas partes do mundo. O esperado para o mês era de uma alta marginal de 0,1%, mas cedeu 1,3%. Dados do PMI de outubro também mostraram certo arrefecimento do avanço da indústria na Zona do Euro.

Brasil

  • Fiscal: No Brasil, a agenda de indicadores foi relativamente fraca e o foco doméstico recaiu para as notícias sobre o Auxílio Brasil e o PEC dos Precatórios que tramita na Câmara dos Deputados. Na quarta-feira, o Ministro da Cidadania, João Roma, terá valor médio de R$ 400,00 mensais. O novo valor será uma composição de uma correção de 20% para todos os beneficiários do Bolsa Família e parcela temporária complementar até o final de 2022. O número de beneficiários subirá para próximo de 17 milhões de famílias, contra o volume atual de cerca de 14 milhões. O AB começará a ser pago em novembro, em substituição ao Bolsa Família e ao Auxílio Emergencial. O reajuste irá gerar uma despesa extra Teto de pouco mais de R$ 30 bilhões e tem gerado incertezas sobre a Ancora Fiscal. Para efetuar esses gastos será necessária uma mudança na Constituição, que seria feita via a PEC dos precatórios.
  • Precatórios: Com isso, a comissão especial da Câmara dos Deputados aprovou, por 23 votos contra 11, a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) limita o pagamento de precatórios, estabelece opções para a quitação dos precatórios que não serão pagos em 2022 e muda o cálculo de reajuste do teto de gastos. As alterações podem abrir um espaço fiscal entre R$80 e R$100 bilhões de reais para o próximo ano e piorar do déficit primário podendo chegar a mais de 1% do PIB ante expectativa anterior de 0,3%. Desta forma, haverá espaço para se lançar o Auxílio Brasil com benefício de R$ 400,00 por mês para 17 milhões de famílias, além de outros benefícios como Auxílio Gás, auxílio a caminhoneiros e desoneração da folha de pagamento e outros. O risco da alteração no Teto de Gastos é a forma como o Banco Central irá enxergar esta mudança na reunião do COPOM da próxima semana, podendo influir negativamente no balanço de riscos da Autoridade Monetária e nas projeções de inflação.

Próxima Semana

  • IPCA-15: Na próxima semana será divulgado o IPCA-15 de outubro. Nossa expectativa é ocorra desaceleração de 1,14% para 0,94%. A composição deve se manter muito parecida com o IPCA-15 do mês anterior, ou seja, os grupos de Alimentação e Bebidas, Habitação e Transportes devem concentrar as maiores altas. Os principais itens altistas são tomate, aves, energia elétrica residencial, gasolina e passagens aéreas. Esse pequeno alívio não muda o quadro de forte pressão inflacionária. O problema de restrição energética global, manutenção de preços de petróleo em patamares elevados e câmbio apresentando expressiva depreciação, devem contribuir para que a inflação permaneça pressionada no curto prazo.
  • COPOM: O Comitê de Política Monetária do Banco Central (Copom) se reunirá na próxima semana para decidir qual será a taxa juros. Nossa expectativa era que o BC em função do que havia comunicado e pela trajetória desafiadora da inflação, faria uma elevação de 100 pontos base, ou seja, elevaria a Selic para 7,25%. Contudo, diante da materialização dos riscos fiscais (rompimento do teto e maior estímulo fiscal) que surgiu nesta semana, entendemos que o BC precisará elevar mais os juros, levando a Selic em 150 pontos (7,75%). Além disso, deve apresentar um comunicado mais duro por conta dessa flexibilização fiscal.
  • Exterior: No exterior, teremos a leitura do PIB do terceiro trimestre da Zona do Euro, assim como a decisão de política monetária do Banco Central Europeu. Nos EUA, o destaque também será a leitura do PIB do terceiro trimestre, e por fim na China, teremos o lucro industrial de setembro.

Fonte: FGV, Bloomberg, Broadcast e LCA Consultores

Rafael G. Cardoso, economista-chefe

rafael.cardoso@bancodaycoval.com.br

Julio Mello de Barros, economista

julio.barros@bancodaycoval.com.br

Antônio Castro, analista econômico

antonio.castro@bancodaycoval.com.br

Privacy Settings
We use cookies to enhance your experience while using our website. If you are using our Services via a browser you can restrict, block or remove cookies through your web browser settings. We also use content and scripts from third parties that may use tracking technologies. You can selectively provide your consent below to allow such third party embeds. For complete information about the cookies we use, data we collect and how we process them, please check our Privacy Policy
Youtube
Consent to display content from Youtube
Vimeo
Consent to display content from Vimeo
Google Maps
Consent to display content from Google
Spotify
Consent to display content from Spotify
Sound Cloud
Consent to display content from Sound