PALAVRA DO ECONOMISTA

Copom mantém taxa de juros

COPOM | Setembro/18

Relatório em PDF aqui.

Ontem o Comitê de Política Monetária do Banco Central do Brasil (COPOM) decidiu, por unanimidade, manter a taxa SELIC em 6,5%, fato amplamente esperado.

No comunicado, a Autoridade Monetária trouxe algumas novidades no que tange o balanço de riscos, como a possibilidade de reduzir o estímulo monetário no caso de piora adicional do balanço de riscos e alteração da avaliação dos níveis dos núcleos de inflação. Além disso, trouxe as projeções de inflação para 2018 e 2019 condicionadas a trajetória de juros e câmbio da pesquisa FOCUS e com tais variáveis constantes.

Em relação ao balanço de riscos, a avaliação está marginalmente pior devido ao cenário externo para emergentes. Mas ainda assim, o COPOM afirmou que “a conjuntura econômica ainda prescreve política monetária estimulativa, ou seja, com taxas de juros abaixo da estrutural”. Por outro lado, o Comitê abriu a possibilidade de começar a retirar o estímulo monetário (alta da taxa de juros) “caso o cenário prospectivo para a inflação no horizonte relevante para a política monetária e/ou seu balanço de riscos apresentem piora”, o que não é nosso cenário base. Vale dizer que tal comunicação do BCB, minimiza fortemente a possibilidade de choque de juros sinalizando que caso haja alta de juros, será gradual.

Em relação as projeções de inflação nos chamou a atenção a expectativa de 4,5% para o IPCA no caso de câmbio constante a R$ 4,15, isto por que tal patamar está acima da meta estipulada para o ano (4,25%). Entretanto, também não podemos deixar de destacar, que na pesquisa FOCUS a expectativas para anos subsequentes (2020 e 2021) estão ancoradas próximo ou na meta (4,0% e 3,9%, respectivamente).

Neste sentido, esperamos que na Ata desta reunião a ser divulgada na semana seguinte deverá ponderar que em ambiente de expectativas ancoradas, o BCB deverá utilizar as bandas em torno da meta, como em 2017.

Já em relação aos núcleos de inflação o BCB também alterou sua avaliação. Nós vínhamos pontuando que, aparentemente, os diversos núcleos de inflação e outros indicadores inflacionários qualitativos tinham atingido o “fundo do poço” e deveriam começar a normalizar adiante. O BCB, por sua vez, passou a ver os núcleos em níveis apropriados ante níveis baixos na comunicação de agosto. Entendemos que o termo apropriado condiz com nossa avaliação de núcleos condizente com o cumprimento da meta no médio prazo.

Desta forma, mantemos nosso cenário base de manutenção da taxa SELIC a 6,5% nas próximas reuniões. Entendemos que a mudança da estratégia do BCB passará, necessariamente, pela desancoragem da expectativa inflacionária de médio prazo, fenômeno mais atrelado a continuidade das reformas estruturais internas do que a taxa de câmbio.

 

Rafael G. Cardoso, economista-chefe
rafael.cardoso@bancodaycoval.com.br

Antônio Castro
antonio.castro@bancodaycoval.com.br

Privacy Settings
We use cookies to enhance your experience while using our website. If you are using our Services via a browser you can restrict, block or remove cookies through your web browser settings. We also use content and scripts from third parties that may use tracking technologies. You can selectively provide your consent below to allow such third party embeds. For complete information about the cookies we use, data we collect and how we process them, please check our Privacy Policy
Youtube
Consent to display content from Youtube
Vimeo
Consent to display content from Vimeo
Google Maps
Consent to display content from Google
Spotify
Consent to display content from Spotify
Sound Cloud
Consent to display content from Sound