INSTA DESTAQUE

Daycoval usa tecnologia para avançar no crédito

Objetivo é que digitalização ajude a aumentar número de transações dos clientes com o banco, diz acionista

Quando a crise econômica bateu à porta, em 2014, a família Dayan decidiu adotar uma nova estratégia para o Daycoval, controlado por ela. Especializado no crédito a empresas, o banco passou a atender um número maior de clientes – inclusive, ampliando a operação que já tinha com pessoas físicas – para pulverizar o risco e só então voltar a crescer.


Cinco anos depois, o Daycoval começou a colher os frutos desse modelo, viabilizado por investimentos na digitalização de processos e da oferta de produtos. “Vamos chegar neste mês a 1 milhão de clientes, e estamos usando tecnologia para fazer mais com eles. Para nós, é estratégico ter esse contato direto”, afirma o Morris Dayan, diretor-executivo do banco. Avesso a holofotes, o banqueiro concedeu ao Valor uma rara entrevista.


Com o objetivo de estreita esse relacionamento, colocou em campo a assistente virtual Dayana, desenvolvida internamente, para interagir com os clientes e executar transações. Lançou aplicativos para pessoas físicas e automatizou a de fundos. Uma área de investimentos foi criada para surfar a onda das plataformas e diversificar as fontes de captação.


Apesar disso, o Daycoval quer fugir do rótulo de banco digital, que tem proliferado entre as instituições financeiras de médio porte. A ideia é que a tecnologia seja um meio para aumentar o número de transações que os clientes fazem com o banco e a frequência com que isso acontece. Mas, segundo Dayan, o jeitão conservador da casa não vai mudar. “Queremos crescer por meio do crédito e não de serviços”, diz.


Depois de alguns anos em marcha lenta, a carteira do Daycoval voltou a ganhar folego. O estoque de empréstimos e financiamentos somava R$ 23,9 bilhões no fim de setembro, crescimento 36,2% em um ano. No mesmo período, o mercado de crédito avançou 5,8%. O lucro líquido do banco chegou a R$ 647,1 milhões nos nove primeiros meses deste ano, alta de 33,2%.


Para voltar a crescer, o Daycoval reduziu o tíquete médio de suas operações e lançou novos produtos, como leasing, finanças e cambio. No crédito a empresas, vem expandindo as operações de capital de giro e compras de direitos creditórios. No segmento de pessoas físicas, os focos são consignado e financiamento de veículos. A inadimplência estava em 1,7% no fim do terceiro trimestre.


O atendimento a pessoas físicas está, em boa média, automatizado. Porém, ainda dispensa os correspondentes bancários – são eles que usam aplicativos lançados pelo Daycoval para contratar operações de consignado e veículos.


No atendimento a pessoas jurídicas, 90% das contas já são abertas de forma digital, sem nenhuma intervenção humana. Os clientes, em geral pequenas e médias empresas, enviam ao banco o contrato social, o sistema lê e completa o processo. A instituição também tem usado inteligência artificial para fazer a checagem de duplicatas, usadas como garantia no crédito a pequenas empresas. Um terço desses títulos já é “lido” dessa forma e a meta é ultrapassar 50%.


Sob comando de Alexandre Rhein, diretor de TI, a equipe de tecnologia é formada por 215 pessoas. O banco como um todo tinha quase 2,3 mil funcionários em setembro – um aumento de 26,7% em um ano. Para acomodar o crescimento, o Daycoval alugou três andares de um prédio quase em frente à sede do banco, na Avenida Paulista.


Segundo Dayan, os investimentos na digitalização foram de R$ 100 milhões por ano nos últimos dois anos e devem se manter nesse patamar.
A expansão pesou nas despesas operacionais, que aumentaram 14,5% nos nove primeiros meses de 2019, para R$ 711,8 milhões. “Esses investimentos vão ajudar na produtividade”, afirma o diretor de relações com investidores, Ricardo Gelbaum.


O Daycoval passou os últimos anos com uma postura cautelosa diante do cenário econômico. Tanto que fez um grande reforço nas provisões contra calotes em 2018 e uma nova rodada este ano, quando o ambiente começava a melhorar. Dayan ainda não tem planos de reverter o movimento, mas já se permite dizer que está “moderadamente otimista”. Segundo ele, as perspectivas são de retomada forte do crédito, com inadimplência sob controle. “O crescimento [do país] é baixo, mas a tendência está no caminho certo”, afirma.


Essa nova rodada de expansão deve ser bancada com recursos reinventados pela família no negócio e pelas fontes correntes acessadas pelo banco. Captação de pessoas físicas, letras financeiras e linhas tomadas no exterior compõe a base do funding. O Daycoval foi um dos bancos médio que fizeram IPO em 2007, mas as ações foram recompradas em 2016.


*Texto extraído do Jornal Valor Econômico em 07/11/2019

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Privacy Settings
We use cookies to enhance your experience while using our website. If you are using our Services via a browser you can restrict, block or remove cookies through your web browser settings. We also use content and scripts from third parties that may use tracking technologies. You can selectively provide your consent below to allow such third party embeds. For complete information about the cookies we use, data we collect and how we process them, please check our Privacy Policy
Youtube
Consent to display content from Youtube
Vimeo
Consent to display content from Vimeo
Google Maps
Consent to display content from Google
Spotify
Consent to display content from Spotify
Sound Cloud
Consent to display content from Sound