Como investir no exterior: aprenda neste guia básico

Em busca de proteção contra as oscilações do mercado local? Descubra como investir no exterior e diversificar a sua carteira.

Diversificação. Essa é a palavra a ser usada por aqueles que desejam se proteger das turbulências da economia. Mas será que só manter ativos domésticos é o bastante para ter mais garantias? Sejamos francos: saber como investir no exterior – de forma legal, claro – pode ser a sua carta na manga.
O assunto, porém, gera muitas dúvidas. Quais são as opções disponíveis? Os custos são altos? E os riscos? Se você está atrás dessas respostas, continue lendo este texto.

Por que investir no exterior?

Você já deve ter ouvido a seguinte máxima: nunca deixe os ovos na mesma cesta. A metáfora pode ser batida, mas é verdadeira.
Afinal, mesmo com todas as garantias, ter posições apenas na renda fixa o deixará exposto aos riscos de mercado, como juros e inflação, ou mesmo ao risco de crédito, caso decida por títulos privados.
Já ao adquirir títulos de renda variável ou cotas de fundos com perfis moderados e arrojados – que têm mais potencial de ganhos no longo prazo – a situação se inverte. Entretanto, ainda assim, as incertezas domésticas continuarão a rondá-lo, o que atingirá em cheio os seus rendimentos.
Agora, se você investir no exterior legalmente, a sua carteira ficará menos exposta às oscilações locais. Além disso, poderá lucrar com a apreciação da moeda estrangeira em relação ao real e com o crescimento de setores do mercado internacional que estejam imunes à realidade brasileira.

Como investir no exterior?

Você deve estar pensando: e quais são as minhas alternativas? Pode não parecer, mas elas são muitas. Por isso, selecionamos as mais populares. Acompanhe:

Fundos de investimentos

No mercado, existem fundos formados exclusivamente por ativos e títulos de dívidas internacionais – conhecidas como bonds. As cestas têm composições e características diferentes, que dependem da categoria e da estratégia. Por isso, é preciso olhar com cuidado as lâminas e os custos antes de comprá-las para que de fato tragam o retorno esperado.
Como vantagem, as opções oferecem carteiras prontas, sem a necessidade de arcar com os custos da composição e com o tempo de pesquisa das melhores alternativas. No entanto, as cotas são reservadas apenas para investidores qualificados – com ao menos R$ 1 milhão aplicados.

ETF

Sigla para Exchage Traded Funds, os ETFs ficaram conhecidos por aqui como fundos de índices, por replicarem indicadores de mercados amplos ou específicos. Por isso, a gestão deles é passiva, o que representa menos riscos em relação aos fundos de ações com gestão agressiva. E também têm menores custos, porque não contam com o intuito de superar metas.
No Brasil, é possível adquirir ETFs que replicam o S&P 500 – índice das 500 ações mais negociadas na Bolsa de Nova York. No entanto, por aqui, a variedade desses fundos ainda é limitada.

BDR

Os Brazilian Depositary Recips são certificados de ações internacionais negociadas na B3. Em geral, correspondem a carteiras de ativos de uma única empresa, que seguem as cotações nas bolsas internacionais e são montadas por bancos nacionais ou estrangeiros.
Na prática, ao comprar BDRs, os aplicadores adquirem participações em companhias como Apple, Nike e Barkeshire and Hathaway – do megainvestidor Warren Buffett – sem precisar abrir uma conta no exterior. Para contratá-los, porém, é preciso ser um investidor qualificado.

Investir diretamente em outros países

Todos que busca entender como investir no exterior já se viram diante dessa possibilidade. De fato, trata-se de uma maneira comum e bastante efetiva de aplicação: para isso, basta abrir uma conta, enviar o dinheiro e comprar os ativos desejados.
O ponto positivo é que, ao fazer isso, você tem mais liberdade de escolha para determinar a sua carteira. Aqui, a cesta de investimentos é sua, o que confere exclusividade e maleabilidade. No entanto, é preciso estar atento para aplicações acima de US$ 100 mil, que exigem a notificação das operações ao Banco Central e à Receita Federal.
Outra medida de segurança importante é fugir dos paraísos fiscais e escolher mercados com grandes volumes negociados e oportunidades de ganhos, como Estados Unidos, Japão e Inglaterra.

Comece agora!

Agora que você entendeu como investir no exterior legalmente, pôde perceber como há detalhes e decisões importantes a serem tomadas, não é mesmo? Se você quer começar a aplicar e precisa tirar mais dúvidas sobre o processo, entre em contato com um de nossos consultores!

Recomendar Conteúdo:
WhatsApp
LinkedIn
Twitter
Facebook

Quem leu essa matéria também gostou

Matérias mais lidas

Gostaria de receber novidades?

    Prometemos não utilizar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

    WhatsApp
    LinkedIn
    Twitter
    Facebook

      Ei, tá curtindo o nosso Blog?

      Inscreva-se para receber as nossas novidades dicas financeiras exclusivas e conteúdo especial na sua caixa de entrada.


      Prometemos não utilizar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.


      Obrigado por se inscrever!

        Ei! Espera um minutinho, por favor!

        Inscreva-se no Blog Daycoval para receber as nossas novidades, dicas financeiras exclusivas e conteúdo especial na sua caixa de entrada.


        Prometemos não utilizar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.


        Obrigado por se inscrever!