PALAVRA DO ECONOMISTA, Sem categoria

Macro Alerta | Produção industrial cai na margem, mas composição é melhor ao final do segundo trimestre

Veja o relatório em PDF aqui

Em junho, a produção industrial caiu 0,6% na série com ajuste sazonal. Tal resultado foi pior que o esperado por nós (-0,2%) e da mediana de mercado segundo a Bloomberg, cuja expectativa era de queda de -0,5%. Na comparação com junho de 2018, o resultado foi de queda de -5,9%.
Na abertura do indicador, à exceção de indústrias extrativas, todas as outras categorias monitoradas por nós apresentaram queda na margem. Também houve revisão dos dados do mês de maio de -0,2% para -0,1% na série com ajuste sazonal.

Fonte: IBGE – Elaboração: Daycoval Asset

Em leituras anteriores passamos a destacar a tendência positiva de categorias relacionadas ao investimentos e decisões de longo prazo como Bens de Capital e Bens de Consumo Duráveis, a despeito de um desempenho marginal negativo de -0,4% e -0,6%, respectivamente, é importante ressaltar que Bens de Capital é um componente de investimentos produtivos dependente da expectativa dos empresários em relação à demanda futura e vem apresentando crescimento relevante na comparação trimestral, podendo implicar numa melhor leitura em Formação Bruta de Capital Fixo na divulgação do PIB do segundo trimestre, que na última publicação apresentou desempenho negativo de -2,5%.

Fonte: IBGE – Elaboração: Daycoval Asset

Em resumo, os dados da Produção Industrial de junho a despeito da queda marginal, apresenta uma composição melhor ao final deste segundo trimestre. Como comentado acima, categorias relacionadas ao investimento avançaram em relação ao primeiro trimestre, mas ainda apresentam níveis bastante baixos e condizentes com um cenário de retomada bastante gradual, de dificuldades do setor extrativo mineral e de alta capacidade ociosa. Esta estagnação na margem afeta, por outro lado, o trimestre seguinte, que perde em alguma parcela ímpeto na retomada/avanço da atividade econômica.

Nossa expectativa de crescimento para este ano é de 1,0% e de 2,0% para 2020. Neste sentido, vislumbramos que 2019, assim como 2018, será caracterizado pelo baixo crescimento, inflação abaixo da meta, apesar da política de juros baixos praticada pelo Banco Central. Projetamos 3,9% para o IPCA e 5,0% para a taxa SELIC no final de 2019.

Rafael G. Cardoso, economista-chefe

rafael.cardoso@bancodaycoval.com.br

Antônio Castro

antonio.castro@bancodaycoval.com.br

Deixe um comentário

Privacy Settings
We use cookies to enhance your experience while using our website. If you are using our Services via a browser you can restrict, block or remove cookies through your web browser settings. We also use content and scripts from third parties that may use tracking technologies. You can selectively provide your consent below to allow such third party embeds. For complete information about the cookies we use, data we collect and how we process them, please check our Privacy Policy
Youtube
Consent to display content from Youtube
Vimeo
Consent to display content from Vimeo
Google Maps
Consent to display content from Google
Spotify
Consent to display content from Spotify
Sound Cloud
Consent to display content from Sound