PALAVRA DO ECONOMISTA

Manutenção da taxa Selic e perspectiva de estabilidade nos próximos trimestres.

COPOM: manutenção da Taxa SELIC e perspectiva de estabilidade nos próximos trimestres

Veja  o relatório em PDF aqui.

Ontem o COPOM decidiu, por unanimidade, manter a taxa SELIC em 6,5%, fenômeno amplamente esperado por nós e pelo mercado. Apesar de poucas mudanças na comunicação, alguns fenômenos nos chamou a atenção. Em primeiro lugar, os modelos explicitados pelo BCB tiveram revisão baixista importante dado o novo patamar da taxa de câmbio. Em segundo lugar, a ampliação do horizonte relevante que passou a abranger também 2020. E, por fim, a constatação de que o balanço de riscos se tornou menos assimétrico.

Os modelos explicitados pelo BCB, segundo nossa leitura, sugerem que não há necessidade de haver alta de taxa de juros. O cenário com juros e câmbio constantes (juros em 6,5% e câmbio de R$ 3,70) projeta IPCA em torno de 4,4% para 2018 (meta de 4,5%), 4,2% para 2019 (meta de 4,25%) e 4,1% para 2020 (meta de 4,0%). Já o cenário alternativo que contempla juros e câmbio de mercado projeta IPCA de 4,4% para 2018, 4,2% para 2019 e 3,7% para 2020. Esse cenário supõe juros em 6,50% no final de 2018, se eleva a 8,0% em 2019 e permanece nesse patamar até o final de 2020, com câmbio que termina 2018 em R$ 3,71, 2019 em R$ 3,80 e 2020 em R$ 3,75. O cenário alternativo mostra que se houver alta da taxa de juros durante 2019 o IPCA projetado para 2020 ficará significativamente abaixo da meta.

Outro ponto a se destacar foi a ampliação do horizonte relevante para a tomada de decisão de política monetária para 2020. Este fato, apesar de novidade, em nossa opinião dá viés mais propicio a manutenção da taxa de juros vis-à-vis uma provável alta no próximo ano. Isto por que a modelagem explicitada no comunicado do BCB, como mostrada acima, sugere descumprimento da meta de inflação para baixo em 2020 no caso de se elevar juros até 8,0% durante 2019.

Por último, mas não menos importante, o BCB comunicou que, apesar da manutenção dos fatores de risco, o balanço ficou menos assimétrico para o lado negativo. Neste sentido, reiterou que “a conjuntura econômica ainda prescreve política monetária estimulativa, ou seja, com taxas de juros abaixo da taxa estrutural.” A reversão do estímulo monetário (alta da taxa de juros) nas próximas reuniões dependerá de uma piora substancial do balanço de riscos e/ou das expectativas de inflação.

Neste sentido, mantemos nossa expectativa de manutenção da taxa de juros em 6,5% nos próximos trimestres. Nosso cenário base contempla alta de juros somente no último trimestre de 2019 sendo duas de 0,25p.p. levando a SELIC a 7,00%. Entretanto, em nossa opinião, cresce a probabilidade de não haver alta da taxa de juros durante todo próximo ano.

Rafael G. Cardoso, economista-chefe
rafael.cardoso@bancodaycoval.com.br

Antônio Castro
antonio.castro@bancodaycoval.com.br

Privacy Settings
We use cookies to enhance your experience while using our website. If you are using our Services via a browser you can restrict, block or remove cookies through your web browser settings. We also use content and scripts from third parties that may use tracking technologies. You can selectively provide your consent below to allow such third party embeds. For complete information about the cookies we use, data we collect and how we process them, please check our Privacy Policy
Youtube
Consent to display content from Youtube
Vimeo
Consent to display content from Vimeo
Google Maps
Consent to display content from Google
Spotify
Consent to display content from Spotify
Sound Cloud
Consent to display content from Sound