PALAVRA DO ECONOMISTA

Morning Call – Exterior misto e COPOM e PEC dos precatórios no destaque da semana

Exterior: Bolsas mundiais não apresentam direção única. Na Ásia, as praças fecharam majoritariamente em alta, mesmo apesar de relatos sobre novos casos de infecção por covid-19 na China, que decidiu impor restrições de viagens em regiões afetadas. Na Europa, as bolsas operam mistas após balanços corporativos melhor do que o esperado e dados fracos de confiança do setor empresarial alemão. Por fim, os índices futuros das bolsas de Nova York operam em leve alta, após acumularem ganhos na semana passada em meio a balanços corporativos melhores do que o esperado.

Na agenda externa para esta semana teremos a leitura do PIB do terceiro trimestre da Zona do Euro, assim como a decisão de política monetária do Banco Central Europeu. Nos EUA, o destaque também será a leitura do PIB do terceiro trimestre, e por fim na China, teremos o lucro industrial de setembro.

Doméstico: No final de semana, as manifestações de apoio entre Paulo Guedes e Bolsonaro e as indicações de Esteves Colnago e Paulo Valle para comandar a Secretaria Especial do Tesouro e Planejamento e Secretaria do Tesouro devem reduzir, marginalmente, os ruídos domésticos. Porém, a decisão de juros do Copom e a votação da PEC dos precatórios ficarão no radar da semana, assim como os dados de inflação com o IPCA-15 de outubro. Na seara política, a votação do relatório final do senador Renan Calheiros (MDB-AL), na CPI da Covid do Senado também pode virar um foco de ruídos a depender das reações dos atores envolvidos. O relatório deve pedir o indiciamento do presidente Jair Bolsonaro por nove crimes.

COPOM: Sobre o Comitê de Política Monetária do Banco Central (Copom) que se reunirá nesta semana para decidir a SELIC, esperávamos que o BC em função do que havia comunicado e pela trajetória desafiadora da inflação, faria uma elevação de 100 pontos base, ou seja, elevaria a Selic para 7,25%. Contudo, diante da materialização dos riscos fiscais (rompimento do teto e maior estímulo fiscal) que surgiu na semana anterior, entendemos que o BC precisará elevar os juros de forma mais intensa, elevando a Selic em 150 pontos (7,75%). Além disso, deve apresentar um comunicado mais duro por conta dessa flexibilização fiscal.

Fonte: FGV, Bloomberg, Broadcast e LCA Consultores

Rafael G. Cardoso, economista-chefe

rafael.cardoso@bancodaycoval.com.br

Julio Mello de Barros, economista

julio.barros@bancodaycoval.com.br

Antônio Castro, analista econômico

antonio.castro@bancodaycoval.com.br

Privacy Settings
We use cookies to enhance your experience while using our website. If you are using our Services via a browser you can restrict, block or remove cookies through your web browser settings. We also use content and scripts from third parties that may use tracking technologies. You can selectively provide your consent below to allow such third party embeds. For complete information about the cookies we use, data we collect and how we process them, please check our Privacy Policy
Youtube
Consent to display content from Youtube
Vimeo
Consent to display content from Vimeo
Google Maps
Consent to display content from Google
Spotify
Consent to display content from Spotify
Sound Cloud
Consent to display content from Sound