Categorias

Segurança digital: um guia prático para não cair em golpes

Se a segurança digital já tinha que estar entre nossas prioridades antes da pandemia, essa importância aumentou ainda mais em 2020, com muitas pessoas trabalhando em regime de home office – e, com isso, ainda mais dependentes de ferramentas online. Esse cenário fez crescer o número de ataques cibernéticos no país. Segundo um levantamento da empresa de cibersegurança Kaspersky, o Brasil respondeu por 55,9% das invasões a usuários domésticos (de computadores e notebooks em casa) e 56% dos ataques a empresas na América Latina nos primeiros nove meses do ano.

Informação é o caminho para evitar problemas do gênero. Na segunda edição da “Semana da Segurança Digital”, uma iniciativa conjunta entre a Febraban e vários bancos associados à entidade, o Daycoval elaborou um guia resumido para explicar como os golpistas agem – e o que devemos fazer para nos prevenir.

Segurança digital: como identificar golpes e phishing

Para obter informações sensíveis e sigilosas e, assim, obter vantagens financeiras, muitos golpistas adotam técnicas da chamada “engenharia social”. Entre as mais conhecidas estão:

1 – Golpe do falso investimento

O criminoso se passa por parceiro do banco e apresenta uma proposta tentadora de investimento. O que ocorre é que a “oportunidade” só poderá ser “aproveitada” se a vítima depositar o dinheiro da aplicação em uma conta corrente informada pelo falso parceiro;

2 – Golpe da falsa aprovação de crédito

Nessa técnica, o golpista afirma ser um parceiro do banco e que entrou em contato para informar que o cliente tem um “crédito aprovado”. Para liberar o dinheiro, no entanto, é preciso “pagar uma taxa”;

3 – Golpe da falsa central ou falso funcionário

Um contato feito por uma falsa central telefônica do banco solicita os dados financeiros, a senha e envia boletos para despesas que, na verdade, não existem;

4 – Cartão clonado, ou “golpe do motoboy”

O golpista finge ser da área de prevenção a fraudes do banco, informa que o cartão do cliente está cancelado e solicita os dados do cartão, como o código de segurança. Em alguns casos, um motoboy é enviado para retirar o cartão – daí o nome do golpe.

5 – Golpe do WhatsApp

Com o número telefônico da vítima e informações sobre seus hábitos de consumo – uma loja em que ela costuma comprar, por exemplo –, o criminoso entra em contato e se passa por funcionário dessa empresa para dizer que a pessoa tem direito a um “cupom de desconto”. A vítima recebe uma mensagem por WhatsApp e, ao clicar nela, dá ao golpista acesso a seus contatos. O criminoso dispara mensagens aos contatos solicitando transferências de valores.

E-mails e páginas falsas: entenda o phishing

O phishing é uma técnica usada por cibercriminosos para tentar obter informações confidenciais como nomes de usuário, senhas e detalhes de cartão de crédito. A ação ocorre por meio de um “disfarce virtual”, como um site falso de um banco ou um e-mail de uma entidade que parece confiável. Ao clicar nos links recebidos com as mensagens, a pessoa sem querer instala programas espiões em seus computadores e celulares, com os quais os fraudadores obtêm os dados.

#SegurançaDigital #daycovaldigital

Segurança digital: as armadilhas das redes sociais

Não é porque estamos fazendo uma ótima viagem de férias que tudo precisa ser registrado nas redes sociais. Mas, se a tentação de mostrar o passeio em uma selfie for muito grande, a imagem não precisa ser vista por quem não conhecemos. Esse cuidado também faz parte de nossa segurança financeira no ambiente digital.

O Daycoval apresenta, a seguir, quatro dicas sobre como assegurar a privacidade de dados sem precisar abrir mão das redes sociais.

1 – Evite se expor demais

Para não enfrentar dores de cabeça desnecessárias, evite compartilhar publicamente informações pessoais, financeiras e corporativas nas redes sociais. Passar a impressão de ostentação pode virar uma armadilha;

2 – Restrinja seu público

Configurar a privacidade de suas postagens para que apenas pessoas realmente próximas possam vê-las é uma medida de reforço a sua segurança no ambiente digital;

3 – Cuidado com promoções on-line

Nunca preencha suas informações pessoais em formulários de promoções sem verificar no site oficial da empresa se elas são, de fato, legítimas;

4 – Oriente seus familiares

Os cuidados que você adotar têm que ser repassados também para a família.

#SegurançaDigital #daycovaldigital

Senhas e autenticação: o que fazer (e o que não fazer)

As transações financeiras no ambiente digital são práticas e também seguras, o que não significa que se pode relaxar. A seguir, o Daycoval apresenta um guia definitivo sobre como proteger sua senha bancária e como reforçar a segurança de seus dados por meio da chamada autenticação de dois fatores.

1 – A regra de ouro: não se compartilha senha

Jamais compartilhe sua senha bancária. Não anote sua senha em caderno ou agendas, não a salve no celular ou no computador nem a fale, escreva ou envie por e-mail, WhatsApp ou mensagens em redes sociais. Como parte dessa regra geral, lembre que nenhum banco solicita senhas de clientes;

2 – Troque sua senha sempre

Substitua sua senha com regularidade – de dois em dois meses, por exemplo. A mudança também precisa ser feita sempre que você desconfiar que ela foi comprometida;

3 – Cada serviço, uma senha

Se você utiliza a mesma senha para seu internet banking, seu e-mail e sua conta no Instagram, mude as três imediatamente. Cada serviço tem que ter uma senha própria;

4 – Crie senhas complexas

As senhas ficam mais seguras quando são compostas por letras, números e, sempre que possível, também por caracteres especiais. Utilize gerenciadores de senhas que criptografam suas credenciais e geram senhas complexas e aleatórias;

5 – Duplo fator de autenticação, um aliado

Para reforçar a segurança, use sempre a chamada autenticação de dois fatores (ou verificação em duas etapas), que inclui uma segunda camada de autenticação para garantir o acesso. Certifique-se de que você habilitou o recurso em todas as aplicações que o oferecem, como Instagram, LinkedIn e Facebook.

6 – Acesso ao celular

Configure uma senha para acessar seu smartphone – e não use PIN ou padrão de desenho. Se o seu aparelho permite biometria ou reconhecimento facial, utilize esses recursos.

#SegurançaDigital #daycovaldigital

Pix: cinco pequenos cuidados para evitar golpes

Em poucas semanas, o Pix entrará de vez na rotina de pessoas físicas e jurídicas de todo o país. Esse meio de pagamento, que vai estrear no dia 16 de novembro, será uma opção adicional para empresas e pessoas físicas fazerem pagamentos e transferências de recursos. Em vez de o dinheiro passar de uma conta a outra com operações como DOC ou TED, por exemplo, será possível “fazer um Pix”. A operação ocorrerá de maneira instantânea, em qualquer horário do dia (ou da noite), seja qual for o dia da semana.

Desenvolvido pelo Banco Central, o Pix será uma ferramenta segura, mas, como em qualquer operação financeira realizada no ambiente digital, é preciso estar atento sempre. A seguir, o Daycoval mostra cinco pequenos cuidados para você utilizar o Pix sem enfrentar grandes dores de cabeça.

1 – Se é link, desconfie

Não clique em links que você receber de pessoas ou órgãos duvidosos por e-mail, redes sociais ou SMS;

2 – Segurança no cadastro da chave Pix

Para usar o Pix, no lugar de agência bancária e conta, empresas e pessoas poderão se identificar com dados como CNPJ, CPF ou e-mail. Essa identificação é a “chave” Pix, que precisa antes ser cadastrada. Para não correr risco sem necessidade, faça o cadastro no site ou no aplicativo de seu banco;

3 – Alerta redobrado com o WhatsApp

Até o Pix passar a valer, os bancos vão trabalhar no pré-cadastro das chaves de seus clientes. Desconfie de convites que você receber por WhatsApp ou e-mail falando sobre o cadastro. Na dúvida, não passe nenhuma informação;

4 – Atenção com telefonemas sobre o Pix

Golpistas podem fazer contato por mensagens, e-mails e redes sociais, mas também por telefone. Desconfie da ligação de um “funcionário” do banco querendo fazer um “teste” ou uma “atualização de cadastro”. Na dúvida, encerre a chamada e ligue para seu gerente;

5 – Nada de transferir dinheiro para “testar” o Pix

É simples: não há pagamento ou transferência para “teste” da chave Pix. Não faça qualquer operação quando o argumento for o de testar a ferramenta.

#SegurançaDigital #daycovaldigital

Recomendar Conteúdo:
WhatsApp
LinkedIn
Twitter
Facebook

Quem leu essa matéria também gostou

Matérias mais lidas

Gostaria de receber novidades?

    Prometemos não utilizar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

    WhatsApp
    LinkedIn
    Twitter
    Facebook

      Ei, tá curtindo o nosso Blog?

      Inscreva-se para receber as nossas novidades dicas financeiras exclusivas e conteúdo especial na sua caixa de entrada.




      Obrigado por se inscrever!