INSTITUCIONAL

Banco conecta empresas a comunidades para enfrentar pandemia

Campanha “Conexão do Bem Daycoval – Sua doação vale por 3” distribui 1 milhão de máscaras, ajuda comunidades vulneráveis e contribui para manter empregos

Por Fabíola Salani

Conectar. O verbo define bem o resultado da campanha “Conexão do Bem Daycoval – Sua doação vale por 3”, que alcançou a meta de 1 milhão de máscaras reutilizáveis doadas. Foram cerca de mil doações, realizadas por funcionários, clientes e parceiros. O banco triplicou essas doações para alcançar a meta.

Ao final, cerca de 200 localidades foram beneficiadas com as máscaras, entregues em centros comunitários, postos de saúde e ações diretas com a população. Além dos beneficiados com os itens, a campanha traz histórias de empresas que readaptaram suas linhas de produção para fabricar o equipamento de proteção e, em alguns casos, puderam reativar máquinas que estavam ociosas. Ao todo, 28 empresas fabricaram máscaras para doação.

“Aqui na regional de Campinas, a equipe trouxe projetos fora do comum”, comemora o superintendente comercial do Daycoval Claudio Nascimento. Ele pediu à equipe que buscasse parcerias que possibilitassem diferentes participações, fossem em dinheiro, material ou produção das máscaras, de maneira que os projetos beneficiassem empresas e conseguissem angariar o maior volume de itens possível.

O time captou colaborações que se converteram em 600 mil máscaras, com doações de diversas empresas. Dessas, oito foram confecções que fabricaram as peças e também doaram uma parte dos itens como forma de participar da ação social.

Um dos casos mais emblemáticos foi o da tecelagem responsável pela marca Villeneuve, de moda masculina, de Campinas. Seu proprietário, Vilson Cassia Junior, conta que a linha estava completamente parada. “Somos totalmente dependentes de o comércio estar aberto.”

A empresa estava no processo de começar a converter parte de sua produção para máscaras quando foi contatada pelo pessoal do Daycoval para participar da campanha. Com a adesão, todos ganharam. A Villeneuve doou 10 mil máscaras num primeiro lote, e o banco, outras 20 mil. Junior foi entregar pessoalmente os produtos em uma unidade de saúde em Perus, na zona norte de São Paulo. “A ação nos ajudou a manter nossos funcionários”, disse. Não houve demissões até o momento em meio aos 200 colaboradores. E o fato de a confecção ter participado com doação também os motivou. “Quando dissemos que a empresa ia doar também, eles ficaram mais felizes ainda.” No total, a marca produziu 50 mil máscaras.

Já a Malhas Gerbinho, de Amparo (SP), especializada em roupas para bebê e com clientela concentrada no Paraguai, se viu subitamente sem poder enviar as encomendas – e, por consequência, sem receber por elas – quando as fronteiras do país vizinho foram fechadas devido à pandemia do novo coronavírus. Sem pedidos, estava praticamente parada. Foi quando recebeu o contato do Banco Daycoval, sugerindo que participasse da campanha. “Tínhamos conseguido um trabalho de terceirização de produção de máscaras e, como já estávamos por esse caminho, o banco propôs a participação e aceitamos”, disse Alex Ademar Gerbi, proprietário da malharia. Com sete funcionários, a confecção produziu no total 21 mil máscaras para a campanha, doando 7 mil delas. “Foi uma oportunidade para conseguir manter a empresa, o quadro de funcionários, as contas em ordem e ainda doar”, afirmou. Além disso, cinco costureiras autônomas foram acionadas para o trabalho, o que proporcionou renda a elas também.

Com a participação, a malharia teve fôlego para atravessar o período mais difícil e, agora, se prepara para voltar a atender a clientela cativa. “Recebemos uma encomenda e vamos nos preparar para, quando as fronteiras abrirem, já termos o pedido pronto para enviar à cliente”, declarou. “A gente ficou grato com a iniciativa do banco. Ajudou a manter a empresa e os empregos”, finalizou.

Para a gerente de Marketing do Daycoval, Andreia Flores, essas histórias mostram o alcance que a ação teve, ao beneficiar tanto quem precisava das máscaras para se proteger como empresas que enfrentavam dificuldades devido ao momento e, ao participarem da iniciativa, ganharam fôlego e ainda ajudaram. “Foi uma conexão de duas pontas que tinham necessidades e poderiam minimizá-las por meio da campanha”, afirmou. “A campanha funcionou como catalisador para que as empresas fizessem doações e retomassem operações.”

Em meio às empresas participantes, algumas já estavam fabricando máscaras como alternativa no meio da pandemia e, ao serem contatadas pelas equipes do banco, puderam também integrar a iniciativa, fazendo doações e preparando itens a serem direcionados a pessoas que dependiam deles para sua proteção.

Uma delas foi a Mafessoni (foto), malharia localizada em Mairiporã (SP) especializada em roupas para crianças de 0 a 10 anos. A empresa vinha produzindo máscaras desde que percebeu sua necessidade e aceitação. Procurada pelo banco, a Mafessoni aderiu ao projeto, doando 20 mil peças, com contrapartida de outras 40 mil cedidas pelo Daycoval. Para fabricá-las, a confecção precisou chamar dez pessoas de forma temporária – gerando renda também para essas famílias.

A Ato Produtos, empresa situada em Jurubatuba (zona sul de São Paulo) especializada em brindes, foi outra a se engajar na ação. Natália Esplendor, da equipe comercial, conta que a companhia já estava fabricando máscaras para clientes e também doando esses equipamentos de proteção a cinco entidades. Esplendor afirma que a Ato resolveu aderir à iniciativa por ela estar alinhada a esse projeto da empresa. Além disso, participar da campanha manteve ativa parte de seu time de cerca de cem costureiras. Das 30 mil máscaras feitas pela companhia -10 mil doadas por ela para a ação do Daycoval -, um terço são de modelagem infantil.

De Vinhedo (SP), veio outra iniciativa interessante. A gerente comercial Ana Paula Bortolone relata que chamou alguns empresários da cidade para propor adesão à campanha. Ao entenderem a dinâmica do projeto, aceitaram se engajar. Doariam insumos para a fabricação dos itens, desde que fossem confeccionados pela Maxi Malhas, localizada na cidade, o que ajudaria a empresa local. Assim, foi fechado um círculo virtuoso: as empresas arrecadaram material para 100 mil máscaras, a Maxi não cobrou pela fabricação dessas peças e, no total, produziu 300 mil itens, o que colaborou para sua manutenção em atividade.

E foi assim, contando com projetos que auxiliaram na preservação de empresas e empregos, que a campanha atingiu sua meta de 1 milhão de máscaras, cedidas a entidades sociais e órgãos públicos para colaborar com a proteção de populações vulneráveis.

Saiba mais:

Confira as empresas que nos apoiaram.

Privacy Settings
We use cookies to enhance your experience while using our website. If you are using our Services via a browser you can restrict, block or remove cookies through your web browser settings. We also use content and scripts from third parties that may use tracking technologies. You can selectively provide your consent below to allow such third party embeds. For complete information about the cookies we use, data we collect and how we process them, please check our Privacy Policy
Youtube
Consent to display content from Youtube
Vimeo
Consent to display content from Vimeo
Google Maps
Consent to display content from Google
Spotify
Consent to display content from Spotify
Sound Cloud
Consent to display content from Sound