O Daycoval

Depois de crédito social para PMEs femininas, ESG agora é foco do Daycoval

O Banco Daycoval, que atua com produtos financeiros para pequenas e médias empresas, quer expandir atuação para as demais letras do ESG

FONTE: Exame Invest

Banco Daycoval levantou recentemente um empréstimo de 400 milhões de dólares (2,3 bilhões de reais) junto ao IFC, do Banco Mundial, para financiar pequenas empresas. O esforço conjunto também envolveu outras dez instituições financeiras, nacionais e internacionais. Mas, não é de hoje que o Banco olha para as pequenas empresas, um dos principais alvos de sua operação. Dos 37 bilhões de reais que adminstra, 75% – o equivalente a 27,5 bilhões de reais – são créditos para empresas. Desse percentual, 80% é destinado a PMEs.

Com a pandemia, porém, um novo recorte social passou a fazer parte da agenda prioritária da empresa: as companhias lideradas por mulheres. “Respiramos o relacionamento com empresas. Nossa vocação é crédito e o crédito para empresas sempre foi uma parcela importante dessa carteira”, disse Ricardo Gelbaum, diretor de relações com investidores do Daycoval, em entrevista à EXAME.

Dos 2,3 bilhões de reais, que terão prazo de pagamento de até 3,5 anos, 25% serão utilizados para estimular o empreendedorismo feminino. Outros 30% servirão para dar fôlego a pequenas e médias empresas de regiões menos favorecidas do Brasil, com índices do PIB inferiores à média nacional. O restante será destinado para PMEs em geral.

A concessão faz parte de uma parceria de longa data com o IFC por meio da iniciativa “Gender Program”, que apoia instituições financeiras na sua estratégia de oferecer soluções sustentáveis às empresas pertencentes a mulheres. Essa é a nona transação junto ao IFC ao longo dos últimos 14 anos.

“Esse acabou sendo um caminho natural para explorarmos”, diz Paulo Saba, diretor de tesouraria do Banco Daycoval. “Nossa missão é sempre estar em busca da melhor alocação dos recursos que recebemos, e entendendo que a nova priorização por PMEs, especialmente as lideradas por mulheres, ganham uma nova importância para o Banco Mundial, isso também passa a ser indispensável para nós”.

Os critérios sociais e de gênero também já fizeram parte de transações anteriores do Banco. Em 2019, uma transação feita com o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), teve como ângulo a diversidade racial, econômica e de gênero. “Somente com a prática, podemos tornar isso uma política constante”, diz Saba.

Em um novo momento, o banco – que já tem 50 anos de existência – passa a olhar para o ESG (sigla em inglês para critérios ambientais, sociais e de governança). O posicionamento é parte da estratégia em se tornar um parceiro ativo das pequenas e médias empresas, principalmente durante a pandemia.

Nesse cenário, o Daycoval está mais adiantado no quesito social ao explorar novas soluções para serviços já disponíveis para PMEs, segundo Saba. “A pandemia nos mostrou que as possibilidades junto das pequenas e médias são infinitas, e a cada hora descobrimos novos recortes sociais que até então não explorávamos”, diz.

Depois do S, o Daycoval quer dar novos passos rumo às outras letras do ESG. Segundo Gelbaum, o acesso aos recursos disponibilizados junto a outras instituições globais passará, cada vez mais, por novos filtros sociais – e em um futuro próximo, ambientais.

“Aprendemos na prática. Ao invés de ficarmos na teoria do que de fato é o E, o S ou o G, vamos criando soluções que nos ajudam a atingir um posicionamento real nesse novo contexto”, diz Gelbaum.

De início, a intenção, segundo Saba, é cumprir com os requisitos sociais. Em um segundo momento, o banco pretende melhorar as práticas de governança das transações, em um esforço para melhorar a atuação no G do ESG.

Para o futuro, também estão no radar as transações com foco no ambiental. “Pensamos em transações que facilitem investimento ou suporte a companhias de eficiência energética, que tragam eficiência e até mesmo trabalhem com reflorestamento”, diz.

Considerado um banco de médio porte, o Daycoval tem à sua frente desafios próprios, como o de estabelecer uma boa liquidez e uma base de capital robusta. Mas, para Gelbaum, o caminho rumo à responsabilidade socioambiental, apesar de desafiador, independe do tamanho da companhia. “Somos um banco de médio porte, mas vemos que gigantes dizem ser “verdes”, quando, na realidade, não são”, afirma. “Tem a ver com comprometimento, e não com porte. Não queremos dizer que fazemos, queremos fazer”.

Em 2020, o Daycoval registrou lucro líquido de 1,2 bilhão de reais, um crescimento de 15% em comparação com o ano de 2019, e um patrimônio líquido de 4,4 bilhões de reais.

Link: https://invest.exame.com/esg/depois-de-credito-social-para-pmes-femininas-esg-agora-e-foco-do-daycoval

Privacy Settings
We use cookies to enhance your experience while using our website. If you are using our Services via a browser you can restrict, block or remove cookies through your web browser settings. We also use content and scripts from third parties that may use tracking technologies. You can selectively provide your consent below to allow such third party embeds. For complete information about the cookies we use, data we collect and how we process them, please check our Privacy Policy
Youtube
Consent to display content from Youtube
Vimeo
Consent to display content from Vimeo
Google Maps
Consent to display content from Google
Spotify
Consent to display content from Spotify
Sound Cloud
Consent to display content from Sound