INVESTIMENTOS

O que são empresas com “balanço forte” e como funcionam como abrigo para investimentos

Por Patrick Cruz

Nos últimos meses, depois de a taxa básica de juros descer a níveis historicamente baixos e atingir os inéditos 3% ao ano atuais, caiu muito o rendimento das aplicações em renda fixa. Isso tem levado investidores pouco afeitos à renda variável a procurar alternativas de diversificação em ações e fundos de ações. Com a covid-19, muitos desses investidores vivem sua primeira crise aguda na bolsa e, quase que instintivamente, entendem que é hora de buscar o porto mais seguro possível, até a tempestade passar. Logo aprendem que, na bolsa, esses ancoradouros são as empresas reconhecidas por terem “balanço forte”.

Mas o que é esse conceito e como identificar companhias de “balanço forte”?

De saída, é preciso esclarecer: não há uma regra fixa para definir o que faz uma companhia ter ou não um balanço forte. “Em geral, a expressão faz referência a empresas com boa geração de caixa e que pagam dividendos de maneira consistente”, explica Enrico Cozzolino, estrategista de renda variável da Daycoval Investimentos. “Mas, para avaliar a força dos resultados, é preciso considerar o momento de cada companhia.”

O balanço é uma fotografia estática da situação da empresa no passado. Assim, em um exemplo hipotético, dizer que uma varejista teve lucro líquido de R$ 200 milhões no trimestre e que o resultado cresceu 15% em relação ao mesmo período do ano anterior, embora soe positivo, não conta toda a história. O mercado faz projeções para o futuro da empresa ao considerar um determinado resultado no passado. Nesse mesmo exemplo, se o lucro da empresa cresceu 15%, mas o que se esperava era crescimento de 25%, há quem veja esse como um sinal de que a operação não era tão robusta quanto se estimava – e as ações da empresa caem.

Na crise do novo coronavírus, estão se valorizando na bolsa empresas que têm conseguido gerar caixa mesmo em um cenário adverso como o atual. Um dos casos mais emblemáticos tem sido o da Magazine Luiza. As ações da varejista já se recuperaram do tombo causado pela crise – e isso em um cenário que, entre outras medidas, exigiu o fechamento de lojas físicas. Em relação a seu menor valor no ano, atingido em 18 de março, os papéis da empresa subiram 90%, até 15 de maio. 

A expectativa com a geração de caixa no futuro compõe o preço da ação no presente. Assim, em momentos de instabilidade como o atual, muitos investidores voltam-se a segmentos vistos como “defensivos”. Nessa lista estão os setores de saneamento e energia. Eles são considerados defensivos não porque suas ações se desvalorizem menos durante crises, mas porque, como as empresas têm contratos de longo prazo, com preços definidos desde o início, seu horizonte de receitas é mais previsível. Na prática, a tendência é que o valor de suas ações oscile menos em cenários de instabilidade.

“O fluxo de caixa desses setores é mais previsível do que, por exemplo, os de consumo”, afirma Cozzolino. Há menos variáveis a considerar na operação da companhia de transmissão de energia Taesa, exemplifica ele, do que na do frigorífico Marfrig. Companhias como a Taesa, de serviços de utilidade pública, estão menos sujeitas a fatores que impactam de maneira mais direta exportadoras como a Marfrig, como desaceleração do comércio internacional, interrupção da cadeia logística em virtude da pandemia ou grandes oscilações nas taxas de câmbio.

Decidir qual desses setores é mais adequado para o portfólio do investidor dependerá de seu perfil, de sua tolerância ao risco e de sua expectativa de retorno. Assim como a rentabilidade dos investimentos, o passado de uma empresa não é garantia de que ela manterá seus resultados operacionais no futuro. Mas o histórico dá pistas sobre a capacidade da companhia de seguir gerando caixa – e isso é determinante para o desempenho de suas ações.

Privacy Settings
We use cookies to enhance your experience while using our website. If you are using our Services via a browser you can restrict, block or remove cookies through your web browser settings. We also use content and scripts from third parties that may use tracking technologies. You can selectively provide your consent below to allow such third party embeds. For complete information about the cookies we use, data we collect and how we process them, please check our Privacy Policy
Youtube
Consent to display content from Youtube
Vimeo
Consent to display content from Vimeo
Google Maps
Consent to display content from Google
Spotify
Consent to display content from Spotify
Sound Cloud
Consent to display content from Sound