Categorias

Por que a Selic subiu? Entenda os motivos e se a taxa deve continuar subindo

Na última quarta-feira (15), o Comitê de Política Monetária (Copom) anunciou um aumento de 0,50 ponto percentual na taxa Selic, que saiu de 12,75% para 13,25%.

O órgão cumpriu o prometido e reduziu o ritmo da alta da taxa. Contudo, esta foi 11ª alta consecutiva e teve como principal motivo o aumento dos preços no país.

Com o aumento, a Selic atingiu o maior patamar em mais de cinco anos, acumulando alta de 11,25% desde a mínima de 2%, em março de 2021.

O que vem provocando este ciclo de aumentos? Será que ele chegou ao fim? Quer entender a alta da Selic e conhecer as perspectivas para este importante indicador, continue acompanhando este artigo.

O que levou a Selic a subir?

Amplamente esperada pelo mercado, alta da Selic teve a elevação dos preços como principal motivador. O IPCA desacelerou em maio, ficando em 0,47%, mas acumula aumento de 11,73% nos 12 meses.

A inflação real não foi contida. Dessa forma, o Copom segue exercendo sua função essencial para contê-la. “A inflação ao consumidor seguiu surpreendendo negativamente, tanto em componentes mais voláteis como em itens associados à inflação subjacente”, afirma o órgão em seu comunicado oficial.

O aumento dos juros é uma ação na tentativa de controlar da inflação, uma vez que em meio a um aumento de preços proeminente é necessário reduzir o ritmo do consumo, e elevar o custo do dinheiro é uma das principais alternativas para isso.

Com juros altos, os empréstimos ficam mais caros para as empresas e as pessoas tendem a consumir menos, fazendo com que os preços parem de subir tanto.

A meta central da inflação para este ano é de 3,5%, mas seria cumprida se ficasse entre 2% e 5%. Contudo, a previsão do mercado e do próprio Banco Central é que a inflação fique em 8,89% em 2022.

Acontece que as decisões sobre a Selic podem levar até um ano e meio para ter um impacto real na economia. Por isso, o BC já está balizando a Selic para manter a inflação dentro da meta em 2023.

Outro ponto que levou à alta da Selic é o aumento da base monetária. Isso quer dizer que houve pouca produção e muito dinheiro no mercado para a compra de um produto com pouca oferta. Além disso, temos ainda a alta das commodities, principalmente do petróleo.

Perspectivas para a Selic: quando será o próximo aumento?

O Copom já anunciou que deve haver um novo aumento igual ou de menor magnitude, elevando a taxa para 13,75% na próxima reunião, que acontece nos dias 2 e 3 de agosto.

O órgão enfatizou que os próximos passos da política monetária poderão ser ajustados para assegurar que a inflação fique dentro da meta, considerando o desempenho da atividade econômica, do balanço de riscos e das projeções e expectativas de inflação para o horizonte relevante da política monetária

De acordo com o comunicado, o Comitê julga que a incerteza em torno das suas premissas e projeções atualmente é maior do que o usual e cresceu desde a última reunião e ressalta que, em seus cenários para a inflação, permanecem fatores de risco:

  • uma maior persistência das pressões inflacionárias globais;
  • a incerteza sobre o futuro do arcabouço fiscal do país e políticas fiscais que impliquem sustentação da demanda agregada, parcialmente incorporadas nas expectativas de inflação e nos preços de ativos.
  • Entre os riscos de baixa, ressaltam-se (i) uma possível reversão, ainda que parcial, do aumento nos preços das commodities internacionais em moeda local; e (ii) uma desaceleração da atividade econômica mais acentuada do que a projetada.

Em linhas gerais, o mercado acredita que o país deve fechar o ciclo de alta da Selic próximo dos 14%, o que indicaria que estamos próximos do fim. Entretanto, ainda paira a dúvida de por quanto tempo a taxa se sustentará nesse patamar.

Onde investir com a alta da Selic?

Com a alta dos juros e da inflação, investimentos de renda fixa atrelados a esses indicadores, como LCIs, LCAs e CDBs são muito atrativos.

Seguros e rendendo bons retornos no momento, se apresentam como uma excelente opção para quem está começando a investir, para perfis conservadores, para a reserva de emergência e até mesmo para outros perfis investidores que queiram aproveitar a boa relação risco-rentabilidade desses títulos no momento.

O que não pode acontecer é ficar com o dinheiro parado ou em um investimento que não proporcione retorno acima da inflação, como é o caso da poupança atualmente. Veja o comparativo abaixo:

Na hora de escolher o investimento, é fundamental estar atento à relação entre o IPCA e a Selic, para optar pelos melhores indexadores e prazos, de acordo com o seu perfil e o objetivo do seu investimento. É necessário ficar considerar os movimentos das taxas e, em certas situações, mudar de título para obter melhor rentabilidade.

Porém, você não precisa passar horas estudando o mercado e o cenário econômico para fazer a melhor escolha. Aqui no Daycoval, você conta com um time especialistas para ajudar na escolha dos ativos e na manutenção da sua carteira, independentemente do tamanho do seu investimento.

Quer surfar na onda da renda fixa e falar com um assessor de investimentos agora mesmo? Abra a sua conta no Daycoval Digital em poucos passos.

Bons investimentos!

Recomendar Conteúdo:
WhatsApp
LinkedIn
Twitter
Facebook

Quem leu essa matéria também gostou

Matérias mais lidas

Gostaria de receber novidades?

    Prometemos não utilizar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

    WhatsApp
    LinkedIn
    Twitter
    Facebook

      Ei, tá curtindo o nosso Blog?

      Inscreva-se para receber as nossas novidades dicas financeiras exclusivas e conteúdo especial na sua caixa de entrada.




      Obrigado por se inscrever!