Categorias

Crédito privado desvendado: potencialize seus investimentos na renda fixa

Você já investe em renda fixa, sente que precisa ir atrás de rendimentos mais expressivos, mas não quer se expor ao risco da renda variável? Chegou a hora de conhecer o crédito privado

Investir em crédito privado pode ser uma alternativa interessante para quem busca diversificar a carteira e obter rendimentos atrativos sem sair da renda fixa.

Neste artigo, você vai compreender o conceito de crédito privado, os principais tipos de investimentos nessa modalidade, além de todas as vantagens e riscos atrelados a esses ativos. Boa leitura!

O que é investimento em crédito privado

O crédito privado é uma emissão de dívida realizada por empresas que visam à captação de recursos para viabilizar um projeto e expandir seus negócios.

Na prática, quem investe em crédito privado empresta dinheiro à empresa emissora e recebe juros por isso.

Quando investir em crédito privado?

Os títulos de crédito privado são indicados para investidores que buscam uma rentabilidade mais alta na renda fixa no médio ou longo prazo.

Os objetivos podem estar relacionados à formação de renda passiva, devido ao pagamento de juros periódicos de alguns títulos; diversificação de portfólio, uma vez que os fatores de risco se diferenciam da renda variável; obtenção de retornos isentos de IR sobre os rendimentos e possibilidade de ganhos de capital com a liquidação antecipada em momentos favoráveis.

Contudo, a rentabilidade mais elevada está diretamente ligada ao risco também mais alto, na comparação com outros títulos de renda fixa.

Isso ocorre especialmente por conta do risco de crédito, que é a probabilidade de o emissor não honrar o pagamento ao investidor.

Portanto, antes de investir, verifique se as características do título são compatíveis com o seu perfil de investidor.

Quais são os principais tipos de crédito privado?

Debêntures

As debêntures são títulos de dívida emitidos por empresas com o objetivo de levantar recursos junto a investidores.

Assim como o governo emite títulos do Tesouro Direto e os bancos emitem CDBs , as empresas podem fazer o mesmo para financiar os seus projetos.

Esses papéis oferecem rendimentos atrativos e são uma boa opção para quem busca diversificar seus investimentos.

Negociadas no mercado de capitais, as debêntures são diferentes das ações de uma companhia. Apesar de ambos os papéis levantarem recursos para empresas (emissão primária), eles diferem na forma como isso é feito.

Empresas podem captar recursos emitindo dívidas (Debêntures) ou por meio da emissão de participação acionária (Ações). O Debenturista é o credor, enquanto o acionista é o detentor de uma parcela da empresa.

Como a debênture é um papel de dívida, ela apresenta características como vencimento, juro, cupom e todos os demais aspectos relacionados à dinâmica do crédito.

Dito isso, as debêntures conferem ao investidor o direito de receber uma remuneração pelo capital investido/emprestado por um determinado prazo.

Existem diferentes tipos de debêntures. Veja quais são:

Não conversíveis – emissões em que não há possibilidade de as debêntures serem convertidas em ações. É o modelo mais comum no mercado.

Conversíveis – emissões que asseguram aos titulares das debêntures o direito de convertê-las em ações da empresa ao término do contrato ou a qualquer tempo, de acordo com o que estiver estabelecido na escritura.

Permutáveis – são similares às conversíveis, porém, as ações entregues ao investidor como forma de remuneração não são da própria empresa emissora, e sim de outras companhias.

CRI e CRA

CRI (Certificado de Recebíveis Imobiliário) e CRA (Certificado de Recebíveis do Agronegócio), são títulos lastreados em créditos imobiliários e do agronegócio, respectivamente.

Esses papéis são emitidos por securitizadoras, que são empresas que compram as dívidas de determinadas companhias e oferecem para os investidores.

De forma prática, quem investe em CRI e CRA está se tornando credor, por isso, é recompensado com juros.

Para a empresa, a finalidade é ganhar liquidez e formar capital de giro com a venda dos seus direitos creditórios.

Imagine uma construtora: ela financia os imóveis para seus clientes em muitas parcelas. O prazo de conclusão de pagamento pode ultrapassar os 30 anos.

Para antecipar esse dinheiro, a companhia vende os direitos creditórios a investidores com a emissão de CRIs. Quando os recebíveis são pagos, os investidores são remunerados conforme o acordo firmado no momento da compra.

O mesmo exemplo poderia ser dado para a emissão de CRAs, mas com empresas da cadeia do agronegócio, como companhias ligadas à produção, comercialização e industrialização de produtos agrícolas.  

Renda fixa crédito privado: como funciona?

Os investimentos em crédito privado fazem parte da categoria de renda fixa, pois oferecem uma taxa de juros predefinida e prazos determinados.

Essa característica permite que o investidor tenha maior previsibilidade sobre os rendimentos e o período de retorno do capital investido.

Geralmente, as empresas que emitem títulos de crédito privado possuem uma classificação de risco atribuída por agências de rating.

Essa classificação avalia a capacidade de pagamento da empresa e influencia a taxa de juros oferecida aos investidores.

Empresas com maior risco de inadimplência tendem a oferecer taxas de juros mais altas para atrair investidores.

Como escolher um título de crédito privado?

Um dos principais pontos de avaliação na hora de escolher um título dessa categoria é a classificação de crédito do papel.

Quanto melhor a saúde financeira do emissor (títulos com rating AAA), menor é o risco de crédito e menor a taxa de remuneração ou o prêmio de risco. O contrário também é válido.

Portanto, é muito importante avaliar essa relação entre risco e retorno antes de optar por determinado investimento.

Além disso, você deve verificar se os prazos dos papéis são compatíveis com os seus objetivos.

O que é um Fundo de Crédito Privado?

Outra possibilidade para entrar no mercado de crédito privado é por meio de fundos de investimentos.

Essa é uma opção para quem deseja aplicar em crédito privado de forma diversificada e com gestão profissional.

Os fundos de crédito privado são geridos por profissionais especializados, que selecionam os melhores títulos dessa categoria disponíveis no mercado, levando em consideração critérios de risco e retorno.

De acordo com as determinações da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) para ser chamado de Fundo de Crédito Privado, o fundo deve alocar mais da metade de seu patrimônio líquido em títulos de crédito privado.

Cenário atual para os Fundos de Crédito Privado

Um estudo realizado pela Quantum Finance em maio de 2023 constatou que os Fundos de Crédito Privado apresentaram retorno médio de mais de 14% em 12 meses.

Além disso, a indústria de fundos, em especial da classe de renda fixa, apresentou menor volume de resgates nos últimos meses.

Após os eventos inesperados no início do ano, este é um importante termômetro dos investidores para o mercado de Crédito Privado.

Foi verificado que, em média, os spreads dos ativos diminuíram levemente, contribuindo para as performances positivas no mês de junho.

Ainda assim, os ativos negociam com prêmios mais atrativos do que em 2022, reforçando a visão positiva na relação entre risco x retorno para várias empresas de qualidade.

Somada a este cenário favorável, a gestão competente dos especialistas da Daycoval Asset é fundamental para proporcionar bons resultados para quem investe nos fundos da Família Daycoval Classic, como o Daycoval Classic F.I Renda Fixa Crédito Privado, que conta com títulos como DPGE, CDB, Debêntures e cotas de FIDC em sua composição.

Quais são as vantagens e desvantagens do Fundo de Crédito Privado?

Vantagens:

  1. Diversificação: Os fundos de crédito privado permitem diversificar a carteira de investimentos sem sair da renda fixa, além de oferecer a possibilidade de investir em empresas de diferentes setores.
  • Acesso a especialistas: Ao investir em um fundo, você tem acesso ao conhecimento e a experiência do gestor, um especialista que realiza análises e seleções criteriosas dos títulos de crédito privado.
  • Liquidez: Embora os títulos individuais de crédito privado possam ter prazos mais longos, os fundos de crédito privado geralmente possuem liquidez diária, o que permite que você resgate o seu dinheiro quando quiser.

Desvantagens:

  1. Risco de crédito: O crédito privado apresenta um risco maior em comparação com outros títulos de renda fixa, pois a inadimplência das empresas emissoras pode gerar prejuízos para os investidores.
  • Taxas e despesas: Os fundos de crédito privado podem ter taxas de administração e outras despesas, o que pode reduzir a rentabilidade do investimento.
  • Dependência do gestor: A qualidade da gestão do fundo é um fator determinante para o sucesso do investimento em crédito privado. É essencial escolher um gestor confiável e com histórico de resultados consistentes.

Vale a pena investir em crédito privado?

A resposta é: depende!

Será necessário analisar a sua tolerância aos riscos envolvidos nesse tipo de operação. Compare com outros tipos de títulos e verifique se as opções de crédito privado disponíveis no momento oferecem a melhor relação risco-retorno para os seus objetivos.

Esses papéis costumam atrair investidores com perfil moderado ou arrojado, mas também existem investidores conservadores que direcionam uma pequena parcela de sua carteira para o crédito privado.

Conclusão

Em resumo, o investimento em crédito privado pode ser uma alternativa interessante para os investidores que desejam potencializar seus ganhos na renda fixa.

Ao investir em crédito privado, você empresta dinheiro a empresas emissoras e recebe juros como remuneração.

No entanto, é importante considerar que a rentabilidade mais alta está associada a um maior risco de crédito.

Por isso, é essencial avaliar cuidadosamente se as características do título são compatíveis com o seu perfil de investidor antes de realizar o investimento.

Para aqueles que desejam uma abordagem diversificada e com gestão profissional, os fundos de crédito privado são uma opção viável, permitindo acesso a uma variedade de títulos e contando com a expertise de gestores especializados.

Em suma, o crédito privado oferece oportunidades de investimento atrativas na renda fixa, desde que você esteja ciente dos riscos envolvidos e tome decisões informadas com base em seus objetivos e perfil de investidor.

Aqui no Daycoval, você tem acesso a uma grande variedade de títulos de crédito privado e conta com o suporte de assessores de investimentos para selecionar os papéis ideias para a sua carteira.

Recomendar Conteúdo:
WhatsApp
LinkedIn
Twitter
Facebook

Quem leu essa matéria também gostou

Matérias mais lidas

Gostaria de receber novidades?

    Prometemos não utilizar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

    WhatsApp
    LinkedIn
    Twitter
    Facebook

      Ei, tá curtindo o nosso Blog?

      Inscreva-se para receber as nossas novidades dicas financeiras exclusivas e conteúdo especial na sua caixa de entrada.




      Obrigado por se inscrever!