PALAVRA DO ECONOMISTA

Agenda Econômica – 03/02 a 07/02

Veja aqui os eventos da próxima semana

Destaque da semana

Nesta semana, o destaque da agenda doméstica foram os dados de inflação com o IGP-M de janeiro e de atividade econômica com a taxa de desemprego da economia de dezembro de 2019. No exterior, destaque para a decisão de política monetária do Federal Reserve (Banco Central americano – Fed), além dos dados do Produto Interno Bruto (PIB) tanto dos EUA quanto da Europa.

Na decisão de política monetária do Fed, a autoridade monetária escolheu pela manutenção da taxa de juros no patamar atual, conforme esperado pelo mercado. Sobre a prévia do PIB do quarto trimestre anualizado da economia americana, o índice mostrou avanço de 2,10%, pouco acimado do esperado (2,0%).

Na Europa, por outro lado, a prévia do PIB do quatro trimestre frustrou as expectativas dos agentes com um crescimento de 0,10% ante esperado de 0,2%. No entanto, é importante destacar que o terceiro trimestre foi revisado positivamente de 0,20% para 0,30%.

No Brasil, o IGP-M de janeiro apresentou variação de 0,48%, percentual inferior ao apurado em dezembro, quando a taxa foi de 2,09%. Com este resultado, o índice acumula alta de 7,81% em 12 meses.

O Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA) subiu para 0,50% em janeiro, após alta de 2,84% em dezembro, após forte queda do índice do grupo Matérias-Primas Brutas que passou de 5,03% em dezembro para 0,26% em janeiro puxado principalmente por bovinos que caiu de 19,57% em dezembro para -5,83% em janeiro.

A taxa de desocupação da economia brasileira segundo a PNAD de dezembro também caiu 11,2% no trimestre encerrado em novembro para 11,0% no trimestre encerrado em dezembro, na série sem ajuste sazonal. Na série ajustada sazonalmente a queda foi de 11,7% para 11,5% nas mesmas bases de comparação. Em relação ao mesmo período do ano passado, a série original apresentou queda de 11,6% para os 11,0% atuais (para ver nosso comentário completo clique aqui).

Próxima semana

Para a próxima semana, os destaques serão os números da produção industrial de dezembro com a Produção Industrial Mensal (PIM), além da decisão de política monetária do Comitê de Política Monetária (COPOM) do Banco Central do Brasil (BCB) e os dados de inflação de janeiro com o IPCA e IGP-DI de janeiro.

Para a produção industrial, esperamos queda do índice em 0,7% na comparação contra novembro na série ajustada sazonalmente e -1,2% na comparação contra o mesmo período do ano anterior. Tal projeção tem respaldo nos números mais fracos de produção de veículos segundo a Anfavea.

Para a decisão de política, esperamos que o Comitê decida por manutenção da taxa de juros no patamar atual de 4,50% a.a.. Não descartamos que a decisão do BCB seja de mais um ajuste adicional de 0,25p.p. o que levaria a taxa SELIC para 4,25%. Entretanto, acreditamos que gradualmente o ano de 2021 ganha peso na decisão de política monetária e o mesmo encontra-se com inflação muito próxima a meta. Neste sentido, mais do que a decisão em si acreditamos que a comunicação do BCB sinalizará que o ciclo de cortes se encerrou (nesta ou já na reunião passada).

Já para o IGP-DI de janeiro, nossa expectativa é de 0,22% frente ao mês anterior. Conforme visto no IGP-M, esperamos que o retorno do choque de proteína bovina se intensifique tanto no IPA quanto ao consumidor, contribuindo para um resultado mais contido no mês de janeiro. Com a realização deste número, o acumulado em 12 meses fica em 7,86%.

Para o IPCA, nossa expectativa é de taxa de inflação de 0,36% também apoiada nos indicativos de desaceleração dos preços de proteínas nos indicadores coincidentes como os IGPs e IPCA-15. O choque de proteínas afetou principalmente a leitura do mês de dezembro. O item Carnes impactou positivamente o IPCA de dezembro em 0,52 p.p. A leitura do IPCA-15 de janeiro já apresentou certo arrefecimento dos preços de proteína animal, no entanto, o índice ainda apresenta contaminação do choque de dezembro.

Rafael G. Cardoso, economista-chefe

rafael.cardoso@bancodaycoval.com.br

Antônio Castro, analista econômico

antonio.castro@bancodaycoval.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Privacy Settings
We use cookies to enhance your experience while using our website. If you are using our Services via a browser you can restrict, block or remove cookies through your web browser settings. We also use content and scripts from third parties that may use tracking technologies. You can selectively provide your consent below to allow such third party embeds. For complete information about the cookies we use, data we collect and how we process them, please check our Privacy Policy
Youtube
Consent to display content from Youtube
Vimeo
Consent to display content from Vimeo
Google Maps
Consent to display content from Google
Spotify
Consent to display content from Spotify
Sound Cloud
Consent to display content from Sound