Os 7 piores erros de quem investe em renda fixa. Será que você comete?

erros da renda fixa

As altas taxas de juros colocaram a renda fixa em evidência nos últimos meses.

Segundo um estudo da B3 divulgado em junho de 2023, a modalidade atraiu 4 milhões de novos investidores em 12 meses, chegando a 15,3 milhões de pessoas. 

Porém, apesar de o momento ser propício para capturar as oportunidades dessa classe de ativos, muitos investidores cometem erros na hora de escolher os seus investimentos.

Um equívoco bem comum é olhar só para a rentabilidade do papel e deixar de lado outros fatores importantes, como prazo e risco.

Neste artigo, você vai descobrir todos os cuidados que é necessário tomar para montar uma carteira de investimentos eficiente e segura.

A seguir, confira quais são os 7 piores erros cometidos por investidores da renda fixa e aprenda a fugir dessas armadilhas. Boa leitura!

Erros da Renda Fixa

1. Não se informar sobre investimentos 

Investir vai muito além de aplicar o seu dinheiro em um título e esperar o retorno.

Se você deseja multiplicar os seus recursos por meio dos investimentos, ainda que restrito à renda fixa, será necessário conhecer as características das opções disponíveis no mercado para conseguir fazer uma boa escolha.

Por mais que você conte com o apoio de um assessor, para ter as rédeas dos seus investimentos em suas mãos, é necessário consumir conteúdos sobre o tema, como artigos, vídeos e até mesmo cursos que te darão uma boa noção de como funciona a renda fixa.

2. Não saber seu perfil de investidor

Achar que a renda fixa é segura e sair alocando o seu dinheiro em títulos dessa classe sem conhecer o seu perfil de investidor pode ser um grande erro.

Isso porque a renda fixa pode estar presente nas carteiras de todos os perfis, mas em proporções e escalas de risco diferentes.

Ao destinar os seus recursos para a renda fixa em uma proporção incompatível com o seu perfil, você pode estar tanto deixando de lucrar, como se expondo a um risco desnecessário.

erros da renda fixa

3. Não se atentar ao indexador

Indexador é o indicador que determina a rentabilidade de um investimento em renda fixa, como IPCA, Selic ou CDI.

Existem títulos que são atrelados diretamente a esses indicadores, que são os papéis pós-fixados. Mas também existem papéis prefixados, que pagam uma taxa fixa, e títulos híbridos, que pagam IPCA + uma taxa fixa.

Muitos investidores cometem o erro de não prestar a devida atenção a esse fator crucial.

A escolha do indexador afeta diretamente a rentabilidade do seu investimento. E o pulo do gato é que cada um deles pode performar de uma determinada maneira mediante os diferentes cenários macroeconômicos.

Vamos ver um exemplo:

Em agosto de 2020, a Selic estava em 2% ao ano. Um investidor que aplicou todo o seu dinheiro em um CDB prefixado de 3% a.a. pode ter pensado que fez um bom negócio.

Entretanto, se o prazo desse investimento for de cinco anos, na verdade, ele não aproveitou a oportunidade de ter um retorno muito maior, já que entre 2022 e 2023 a Selic ficou estacionada em 13,75% e a sua carteira ficou presa nos 3%.

Caso ele tivesse optado por um CDB pós-fixado à época, o investimento teria acompanhado a evolução dos juros e ele teria lucrado muito mais.

erros da renda fixa

Esse exemplo deixa muito clara a importância de analisar com cautela a escolha do indexador e do tipo de rentabilidade, sempre levando em consideração as projeções macroeconômicas.

Em um cenário de juros altos com perspectiva de queda, um título prefixado é vantajoso. Já com a Selic baixa com perspectiva de alta, a melhor escolha é um papel pós-fixado.

Já o IPCA+ é uma boa opção para quem busca proteção contra a inflação e a manutenção do poder de compra ao longo do tempo.

4. Não se atentar ao emissor

O emissor é a instituição responsável por emitir o título de renda fixa, e sua solidez financeira é um fator determinante para a segurança do investimento.

Não é raro que investidores não deem muita importância para fazer uma pesquisa sobre a solidez, a reputação e saúde financeira do emissor.

Responda com sinceridade: você emprestaria o seu dinheiro a um total desconhecido? Aposto que não.

Mas é exatamente isso que você faz ao investir em um título sem conhecer o emissor. E isso pode ser bem mais grave do que parece.

Antes de investir, sempre analise o balanço financeiro da instituição emissora, com atenção especial para a evolução e a qualidade da carteira de crédito, no caso dos bancos.

Outra forma mais simples de saber sobre a solidez de um emissor é conhecer a classificação de rating da empresa que é uma avaliação feita por agências de classificação de risco para medir a capacidade da empresa em honrar suas obrigações financeiras por meio de uma nota.

O objetivo principal é fornecer aos investidores uma indicação da probabilidade de inadimplência da empresa em suas dívidas.

Com esses dados, você consegue entender se a relação risco x retorno do papel é realmente vantajosa.

Um emissor arriscado precisa oferecer uma taxa superior a taxa ofertada pelo governo para poder compensar o risco. 

Ao olhar apenas para a rentabilidade do papel e não se importar com a saúde do emissor, você pode estar se expondo a um risco desnecessário e pode se tornar vítima de um calote, o que nos leva ao nosso próximo erro.

5. Risco do FGC

A negligência com a pesquisa sobre o emissor geralmente é justificada pelo investidor com a desculpa de que o título tem garantia do Fundo Garantidor de Crédito (FGC).

De fato, pode ter. O FGC ressarce o prejuízo do investidor em caso de calote por parte do emissor em títulos como CDB, LCI e LCA, por exemplo.

Esse órgão garante até R$250 mil por CPF e por instituição financeira, não podendo ultrapassar R$1 milhão em 4 anos.

Porém, o que muita gente não sabe é que o FGC funciona como uma espécie de seguradora. Ele tem uma liquidez limitada para cobrir inadimplências.

No caso de uma crise financeira em que várias instituições financeiras venham a quebrar ao mesmo tempo, o FGC não teria caixa para ressarcir todo mundo e os investidores sairiam no prejuízo.  

erros da renda fixa

6. Não se atentar ao prazo

O prazo de vencimento do título é outro aspecto muitas vezes negligenciado pelos investidores.

Algumas pessoas cometem o erro de investir em títulos com prazos incompatíveis com seus objetivos financeiros.

Se você busca uma aplicação de curto prazo, como uma reserva de emergência, é melhor optar por títulos com liquidez diária.

Por outro lado, se o objetivo é uma aposentadoria tranquila daqui a alguns anos, títulos com prazos mais longos podem ser mais adequados.

Outro ponto é que deixar todo o seu patrimônio concentrado em títulos com prazo muito longo podem deixar a sua carteira travada e te impedir de aproveitar as oportunidades que surgem com as variações dos ciclos econômicos.

Em uma fase de expansão econômica, a Bolsa de Valores fica em alta e é um bom momento para lucrar com a renda variável.

Já quando chega uma fase de contração na economia, os juros sobem para controlar a inflação e as boas oportunidades, de maneira geral, migram para a renda fixa.

Quando os juros estão altos, mas as projeções sinalizam o início de um ciclo de quedas, é um ótimo momento para investir em papéis prefixados.

Viu com as oportunidades variam conforme o cenário?

Portanto, se você está com tudo ou grande parte do seu dinheiro preso em um título com prazo muito longo, você corre o risco perder boas chances de fazer o seu patrimônio crescer.

7. Não conferir se a taxa é justa

Como saber se a taxa que será paga por um determinado título é justa ou não?

Sem dúvida, essa é uma pergunta que passa pela cabeça da maioria dos investidores.

A resposta está sempre na relação risco x retorno do papel.

E para avaliar essa relação, você pode conferir a tabela das taxas referenciais para títulos prefixados no site da B3.

Para o IPCA+, as taxas dos títulos públicos, que são usadas como referência, estão disponíveis no site da Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima).

Essas taxas indicam os juros que serão pagos com o menor risco possível, ou seja, com os títulos do governo.

Sendo assim, para investir em um título com mais risco, a taxa também deve ser consideravelmente maior.

Mas lembre-se que taxas muito acima da média podem indicar um risco muito elevado, e é essencial equilibrar a busca por rentabilidade com a preservação do seu patrimônio.

Conclusão

Investir em renda fixa pode ser uma estratégia valiosa para alcançar seus objetivos financeiros, mas evitar certos erros é fundamental para garantir resultados positivos.

Certifique-se de escolher um indexador adequado, pesquisar e confiar em emissores sólidos, entender os limites do FGC, considerar o prazo do investimento e avaliar se a taxa oferecida é justa.

Nunca se esqueça que a educação financeira é sua maior aliada, e estar atento aos detalhes é essencial para tomar decisões informadas.

Ao evitar os erros mencionados, você estará no caminho certo para construir um portfólio de renda fixa sólido e seguro.

Agora, é só abrir a sua conta no Daycoval Investe e pôr em prática tudo que você aprendeu! Abra sua conta e invista agora!

Conheça nosso canal no Youtube:

Recomendar Conteúdo:
WhatsApp
LinkedIn
Twitter
Facebook

Quem leu essa matéria também gostou

Matérias mais lidas

Gostaria de receber novidades?

    Prometemos não utilizar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

    WhatsApp
    LinkedIn
    Twitter
    Facebook

      Ei, tá curtindo o nosso Blog?

      Inscreva-se para receber as nossas novidades dicas financeiras exclusivas e conteúdo especial na sua caixa de entrada.


      Prometemos não utilizar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.


      Obrigado por se inscrever!

        Ei! Espera um minutinho, por favor!

        Inscreva-se no Blog Daycoval para receber as nossas novidades, dicas financeiras exclusivas e conteúdo especial na sua caixa de entrada.


        Prometemos não utilizar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.


        Obrigado por se inscrever!